Miguel Oliveira (KTM) admitiu hoje que enfrentou um "fim de semana mais difícil do que o esperado" no Grande Prémio de Espanha em Jerez de la Frontera, que terminou na 18.ª posição e sem pontuar.

Este foi mesmo o pior resultado do piloto português esta temporada após quatro provas realizadas, depois do 17.ª lugar na ronda de abertura, no Qatar, do 11.º posto na Argentina e do 14.º nos Estados Unidos.

"Foi uma corrida difícil. Não consegui acompanhar os pilotos que seguiam à minha frente. No início ainda fiz algumas ultrapassagens, mas não tinha o ritmo nem a velocidade para os acompanhar, pelo que optei por manter o meu ritmo", explicou o piloto português.

"Na reta interior do circuito, a eletrónica da minha mota não estava a funcionar e fiz um 'cavalinho'. Tive de desacelerar e voltei a ser ultrapassado", precisou.

O piloto da Tech3 considera que foi "um fim de semana desapontante", pois não conseguiu encontrar uma forma de ser rápido e de se sentir mais confortável com a mota.

"Tentámos muitas coisas para melhorar, mas parece que este fim de semana, com as novas peças que estreámos, foi difícil encontrar o equilíbrio que tínhamos conseguido nos testes e nas primeiras provas da temporada", lamentou Miguel Oliveira.

O português considera que precisa de mais tempo com o novo material para encontrar soluções que o ajudem a sentir-se confortável na mota.

Ainda assim, garante que não ficou frustrado com o resultado, devido a todo o apoio que sentiu ao longo do fim de semana.

"É difícil sair frustrado quando se tem tanto apoio. Vi uma bandeira portuguesa em todas as bancadas e isso deixa-me de coração cheio. Continuo a dar o meu melhor e a fazer o melhor com aquilo que tenho", concluiu.

Na segunda-feira, o piloto de Almada vai participar nos testes de MotoGP que se realizam no circuito Angel Nieto, em Jerez de la Frontera, onde hoje se disputou a quarta prova da temporada, ganha pelo espanhol Marc Márquez (Honda), novo líder do Mundial.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.