O Conselho Mundial da Federação Internacional do Automóvel aprovou hoje, em Colónia, o mais extenso calendário do Mundial de Fórmula 1 de sempre, com 22 corridas.

Das 21 corridas de 2019, o anterior máximo, confirma-se a saída da Alemanha e a entrada do Vietname, que se torna no 34.º país diferente a acolher o campeonato, numa altura em que se assinalam 70 anos desde o seu início, em 1950.

Essa prova, a terceira de 2020, está marcada para 05 de abril.

Para o dia 03 de maio está marcada outra estreia, o Grande Prémio da Holanda, no circuito de Zandvoort, que ainda carece de homologação.

As corridas da Austrália, Grã-Bretanha e Espanha renovaram em 2019 os seus vínculos com a Fórmula 1, tal como o Azerbaijão e o mexicano, que passará a chamar-se GP Cidade do México.

Confirmado foi ainda o GP de Itália.

O campeonato arranca em 15 de março, na Austrália, terminando em 29 de novembro, em Abu Dhabi.

O circuito de Montmeló, na Catalunha, acolhe os dois testes de três dias de pré-temporada, nos dias 19 a 21 e 26 a 28 de fevereiro.

Nesta reunião foi ainda aprovado o regulamento técnico do Mundial de Resistência, que juntará na mesma categoria os Protótipos e os Hypercarros, prolongando os LMP2 por mais um ano.

As 06 Horas de Spa, do mesmo campeonato, foram adiadas para 25 de abril.

A Rampa da Falperra foi, ainda, confirmada como a terceira jornada do Europeu de Montanha do próximo ano.

A FIA confirmou, também, a eletrificação do Mundial de Ralicrosse a partir de 2021. Por isso foi já escolhida a empresa Kreisel como fornecedora de um kit de eletrificação dos carros por quatro anos, de 2021 a 2024.

O conceito envolve dois motores elétricos de 250kW em cada eixo, que debitam cerca de 680 cavalos de potência.

As equipas poderão adaptar este conjunto técnico aos seus atuais modelos ou criar novos modelos em torno desta solução.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.