Os quatro treinadores das equipas apuradas para a ‘final four’ da Taça de Portugal de hóquei em patins admitem jogos complicados, mas não escondem que estão em Oliveira de Azeméis para erguer o troféu.

Na meia-final que opõe o campeão europeu, Sporting, ao rival lisboeta Benfica, o treinador das ‘águias’, Alejandro Domínguez - que chegou a meio da temporada - começou por referir que esta é uma “oportunidade de vencer um rival” que não conseguiu vencer na Liga Europeia, nem no campeonato.

“A expectativa é de 50 minutos do melhor trabalho possível que vai-nos ser exigido por uma equipa com a qualidade do Sporting. Vai exigir a nossa melhor versão, sem erros. Chegamos num bom momento e estamos com a motivação necessária para passar a eliminatória”, disse.

Já Paulo Freitas, treinador dos ‘leões’, vincou que a equipa vai enfrentar um “rival muito forte” e a prova disso foram as dificuldades que as ‘águias’ criaram na Liga Europeia, mas que, apesar da “época longa e desgastante”, os jogadores estão “focados e motivados a marcar presença na final”.

“Acredito na qualidade dos jogadores, no trabalho que desenvolvemos e estamos muito tranquilos. Independentemente de não terem atingido os objetivos, o Benfica é uma grande equipa com grandes jogadores, de processos consolidados. O Alejandro está há seis meses [no banco] e já implementou o modelo de jogo, a dificuldade é máxima, assim como a motivação e o foco”, admitiu.

Renato Garrido, treinador da equipa da casa, foi o primeiro a falar sobre o duelo que opõe a Oliveirense diante do Riba D’Ave, o ‘outsider’ da competição, mas que afirma ser um “adversário difícil para toda a gente”.

“O ano passado o Riba D’Ave também esteve na ‘final four’ da Taça e deu muito trabalho aos adversários. Este ano consolidou os processos, entraram jogadores e amanhã [sábado] vai ser um jogo em que somos favoritos, mas temos de respeitar o adversário”, apontou o também selecionador nacional.

Por seu lado, Hugo Azevedo, treinador e jogador da formação do Minho, aceita o termo de ‘outsider’, mas lembrou também o percurso na competição no ano anterior e disse que a equipa não tem “outra intenção que não seja passar a eliminatória”.

“Sabemos as dificuldades que vamos passar, a qualidade e mais valia individual e coletiva do plantel da Oliveirense, mas vamos agarrar-nos aos 25% de possibilidade que temos de ganhar. Já estivemos mais longe, mas agora estamos mais perto do que queremos. Vamos aproveitar para elevar o nome do clube”, apontou.

Ainda antes de terminar, Renato Garrido confirmou que Marc Torra e o ‘capitão’ Ricardo Barreiros recuperaram das lesões e vão jogar no sábado, enquanto Hugo Azevedo elogiou a conduta dos treinadores ali presentes.

“Fico feliz por ver quatro treinadores a elogiarem-se mutuamente, estamos a pensar bem o hóquei em Portugal. Estamos muito felizes enquanto clube por nos estarmos a gladiar com estes clubes de grande relevo nacional e internacional e vamos aproveitar as nossas chances para fazer uma surpresa”, concluiu.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.