Miguel Albuquerque, diretor geral das modalidades do Sporting, estranha que a decisão da FPF de aplicar um castigo de dois jogos à porta fechada à equipa de futsal do Sporting surja numa altura em que acabará por abranger a recepção ao Benfica.

O dirigente reagiu à decisão da federação em declarações à Sporting TV, lembrando que o castigo surge mais de seis meses depois dos incidentes aos quais diz respeito. "Há muitas coisas estranhas neste processo. O jogo é de 13 de junho de 2019 e o acórdão da decisão é de 27 de dezembro. A notificação foi recebida pelo Sporting no dia 30", explicou.

Segundo Miguel Albuquerque, todo o processo vai contra o que a Federação Portuguesa de Futebol defende no que toca a prazos de tomadas de decisão. "Com isto se conclui que a FPF demorou seis meses a decidir o processo, o que contraria tudo o que apregoam, que é a celeridade destas decisões", salienta.

Esta demora leva o dirigente leonino a questionar se a data da decisão será fruto do acaso. "Como é que o Sporting é notificado na semana em que tem um jogo em casa, já com bilhetes à venda e tudo organizado? Será tudo isto uma mera coincidência por apanhar o jogo com o Benfica, que poderá, eventualmente, decidir o vencedor da primeira fase do campeonato?", interroga-se Miguel Albuquerque.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.