O ciclista dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana) impôs-se hoje em solitário na 105.ª edição da Liège-Bastogne-Liège, colocando o primeiro 'monumento' no seu palmarés.

Um ataque a 15 quilómetros da meta permitiu a Fuglsang conseguir a primeira vitória numa clássica na carreira e logo na 'decana' das provas de um dia, concluindo os 256 quilómetros em 6:37.37 horas.

"A corrida foi dura. A equipa fez um trabalho muito bom e colocou-me numa posição muito boa no momento-chave. Quando o [Michael] Woods atacou em Roche-aux-Faucons foi perfeito para mim, pois segui na roda dele. Depois fui obrigado a atacar. Não podia esperar pelo 'sprint'", disse.

Vice-campeão olímpico, Fuglsang concluiu o 'Tríptico das Ardenas' com três lugares no pódio, juntando a vitória de hoje ao segundo lugar na Flèche Wallone e ao terceiro na Amstel Gold Race, sendo que este ano também já tinha sido segundo na Strade Bianchi.

O italiano Davide Formolo (BORA-hansgrohe) ainda tentou responder ao ataque do dinamarquês, mas terminou apenas na segunda posição, a 27 segundos, menos 30 do que o alemão Maximilian Schachmann, seu companheiro de equipa, que fechou o pódio.

O espanhol Alejandro Valverde (Movistar) voltou a não conseguir igualar o recorde de vitórias na prova belga, mantendo-se com quatro, menos uma do que o lendário Eddy Merckx, depois de desistir quando faltavam 105 quilómetros para o final.

O campeão do mundo apresentava alguns problemas físicos nos últimos dias e acabou por ser forçado a abandonar.

O português José Gonçalves (Katusha-Alpecin) terminou na 73.ª posição, a 13.11 minutos de Fuglsang, enquanto Rui Costa (UAE-Emirates) não terminou a prova.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.