O ciclista galês Geraint Thomas, chefe de fila das Ineos, desistiu hoje da Volta à Suíça, em consequência de uma queda sofrida durante a quarta etapa, vencida pelo italiano Elia Viviani (Deceuninck-Quick Step).

O acidente, a duas semanas do arranque do Tour, prova que Thomas ganhou no ano passado, deixa a Ineos 'à beira de um ataque de nervos', já que na semana anterior perdeu no Dauphiné Chris Froome, tetracampeão na Volta à França e que procurava o 'penta' - Froome continua hospitalizado, com fraturas, e já é certo que não vai à 'Grande Boucle'.

A desistência de Thomas atirou para segundo plano a vitória ao ‘sprint’ de Viviani (Deceuninck-Quick Step), que fora o segundo na véspera. Vencedor na segunda-feira, o eslovaco Peter Sagan (BORA-hansgrohe) entrou agora em terceiro, ficando de permeio o australiano Michael Mathews, da Sunweb.

Viviani cumpriu os 163,9 quilómetros entre Murten e Arlesheim em 3:36.02 horas, encabeçando um pelotão em que também estava o português Rui Costa (UAE Emirates), 50.º classificado.

Sagan manteve a camisola amarela, com Mathews a 10 segundos, enquanto Rui Costa subiu 11 lugares, para 72.º, a 8.57 minutos do líder.

A queda de Thomas, ocorrida a 30 quilómetros do final, acabou por o levar ao hospital, com dores num ombro, aguardando-se mais desenvolvimentos, nomeadamente, se está em condições de alinhar à partida para o Tour.

Da queda resultaram algumas lesões visíveis, como um golpe sob a região ocular e esfoladelas nas costas e parte direita do torso.

Através do Twitter oficial, a Ineos explicou que "Thomas estava alerta e a falar com a equipa após a queda" e que "foi levado para o hospital para efetuar exames".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.