Francisco Belo, ao conseguir a qualificação para os Europeus de Glasgow, e Susana Costa, a confirmar a qualificação, foram as figuras do segundo dia dos Campeonatos de Portugal de atletismo.

O lançador benfiquista conquistou o seu primeiro título de campeão de Portugal, com um lançamento de 20,15 metros (e ainda lançou 20,09), derrotando dois atletas que, juntos, somam 17 títulos (Marco Fortes ganhou 13 vezes, Tsanko Arnaudov ganhou quatro). Desta vez, o segundo foi Tsanko Arnaudov (20,02) e Fortes terceiro, com 17,68.

Outra prova de grande nível aconteceu no salto em comprimento, com os benfiquistas Marcos Chuva e Ivo Tavares (que lidera a disciplina na presente época) a saltarem ambos 7,86 metros, ficando a escassos nove centímetros da qualificação para os Europeus. No final, Chuva sagrou-se campeão (após ausência de ano e meio), por ter um segundo salto melhor do que o colega de equipa.

Ainda nas provas masculinas, destaque para os 3.000 metros, com Eduardo Mbengani (Sporting) a tentar a qualificação para Glasgow, terminando com 8.06,15 minutos, abaixo dos 08 minutos certos que eram pedidos, e para a emocionante final dos 60 metros barreiras, com Rasul Dabo (Sporting) a ser campeão de Portugal com a melhor marca do ano, 7,88 segundos, a seis centésimos dos mínimos, uma marca (7,82) que o brasileiro João Vítor Oliveira conseguiu nesta final.

Excelente foi o final do heptatlo, que decorreu nos dois dias e que Manuel Dias (Benfica) venceu com a marca de 5.300 pontos, um recorde pessoal que o coloca como quinto melhor português de sempre. O segundo classificado foi o benfiquista Edgar Campre, ainda júnior, que conseguiu 5.129 pontos, que o trouxe para segundo melhor português de sempre na categoria.

Depois, nota para o salto em altura, com triunfo de Tiago Luís Pereira (Sporting), com 2,15 metros, num concurso com nove atletas acima dos 2,03 metros, para o triunfo de Paulo Rosário (Sporting) nos 800 metros, em 1.51,61 minutos, e para o triunfo da equipa do Sporting nos 4x400 metros, em 3.20,44 minutos.

Nas provas femininas, o destaque vai para o triplo salto feminino, que Susana Costa (Academia Fernanda Ribeiro) venceu com 14,13 metros, o seu melhor de sempre em pista coberta, confirmando a qualificação para os Europeus de Glasgow e derrotando a recordista de Portugal Patrícia Mamona, que saltou 13,95 metros, vinda de uma grande exibição em Madrid, onde elevou o recorde de Portugal para 14,44 metros. Susana desempata assim a seu favor um campeonato especial, já que ambas tinham seis títulos cada.

Quase a alcançarem marcas de qualificação ficaram Cátia Azevedo (800) e Olímpia Barbosa (60 barreiras). A quatrocentista, que correu os 400 metros em Gent, na Bélgica, no sábado, foi agora aos 800 metros e superou toda a concorrência com um forte 'sprint' na última volta, terminando em 2.05,96 minutos, muito perto de Glasgow (qualificação era de 2.05,00).

A barreirista, que tem como melhor 8,27 segundos esta época, terminou muito isolada em 8,30 segundos (e fez 8,28 na eliminatória), sendo a qualificação de 8,20 segundos.

No pentatlo, Marisa Vaz de Carvalho, do Benfica, triunfou com 3.820 pontos (abaixo do seu recorde de 4.064 pontos, feitos em 2017), nos 3.000 metros, Susana Godinho (Sporting) triunfou em 9.45,39, enquanto o Sporting triunfou na estafeta de 4x400 metros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.