O Laboratório de Análises de Dopagem (LAD) de Lisboa reabre no primeiro trimestre de 2020, mais de um ano após perder a acreditação da Agência Mundial Antidopagem (AMA), anunciou hoje o secretário de Estado da Juventude e do Desporto.

“Finalmente, tudo indica que no primeiro trimestre de 2020 teremos o nosso laboratório acreditado de novo”, afirmou João Paulo Rebelo, à margem da assinatura de um protocolo entre a Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) e o Comité Olímpico de Portugal (COP).

O governante reconheceu que foi preciso algum tempo para reverter o “desinvestimento que existiu nos últimos anos” no laboratório de Lisboa, que perdeu a acreditação da AMA em 25 de outubro de 2018, devido à falta de conformidade com os procedimentos internacionais.

“O país passou por um momento difícil, que foram aqueles anos de constrangimentos financeiros (...) e o laboratório foi alvo de desinvestimento sucessivo, quer nos seus recursos humanos, quer nos seus recursos técnicos e mesmo de equipamentos”, referiu.

João Paulo Rebelo explicou que nos últimos anos houve “um investimento nos recursos humanos, nos equipamentos técnicos e na implementação de métodos que, entretanto, a Autoridade Mundial Antidopagem obrigava o laboratório a cumprir” e que o país não estava preparado para fazer em 2016, quando o laboratório foi suspenso.

O LAD de Lisboa foi suspenso em 15 de abril de 2016 por um período de seis meses, tendo essa suspensão sido mais tarde ampliada para um ano, findo o qual a AMA decidiu dar início aos procedimentos para a revogação da acreditação, após verificar que as irregularidades detetadas se mantinham.

Com a suspensão, o laboratório ficou impedido de proceder à análise das amostras por parte de federações e organizações desportivas que tenham assinado o código mundial antidopagem.

O protocolo hoje assinado entre a ADoP e o COP pretende, segundo as duas entidades, ter um caráter preventivo na luta contra o doping.

“A educação, formação e informação são o caminho para a prevenção dos casos de doping”, afirmou Manuel Brito, presidente da ADoP, lembrando que o protocolo vai efetivar-se já na sexta-feira, com uma ação de formação no encontro nacional de atletas olímpicos, que decorrerá em Sintra.

José Manuel Constantino, presidente do COP, considerou que a ADoP “é o melhor organismo para informar os atletas dos riscos, perigos, regras e consequências do doping”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.