O Estádio Nacional, no Jamor, vestiu-se de verde e branco para os festejos da conquista da 79.ª final da Taça de Portugal. Depois de no ano passado ter perdido por 2-1 frente ao Desportivo das Aves, o Sporting conseguiu levar de vencida o FC Porto e conquistar a 17.ª Taça de Portugal da sua história.

Foi com uma reviravolta que a equipa de Marcel Keizer conquistou o segundo troféu da temporada, depois de em janeiro terem conquistado, em Braga, a Taça da Liga precisamente frente ao FC Porto. Soares abriu o marcador para os vice-campeões nacionais, aos minutos, mas Bruno Fernandes empatou logo de seguida.

Depois de uma segunda parte sem golos, foi já no prolongamento que o Sporting completou a reviravolta no marcador. Bas Dost fez esquecer o que aconteceu na final do ano passado da prova rainha do futebol português e colocou um sorriso em todos os sportinguistas. Felipe empatou nos descontos da segunda parte do prolongamento, mas nas grandes penalidades os leões foram superiores e venceram por 5-4.

Mas recordemos então esta tarde de bom futebol que se jogou no Estádio do Jamor, no encontro que encerrou a época futebolística em Portugal.

Nas equipas iniciais, destaque para a titularidade, do lado do Sporting de Raphinha e Wendel, duo que foi suplente no Dragão no jogo da última jornada da I Liga. O extremo brasileiro jogou à frente de Acuña que recuou para o lugar do castigado Borja. Por sua vez, Wendel, que esta semana se envolveu em problemas devido à carta de condução, rendeu Petrovic.

Do outro lado, Conceição apostou em Vaná para a baliza. O guarda-redes recrutado ao Feirense no ano anterior ocupou o lugar que foi de Fabiano nas cinco partidas anteriores. Já Brahimi entrou para o lugar de Corona, que cumpre um jogo de castigo.

A primeira equipa a criar perigo foi precisamente o vice-campeão nacional, com Renan Ribeiro a brilhar com uma defesa dentro da área a remate de Otávio. Marega trabalhou bem junto à linha de fundo e levou a melhor sobre Mathieu, cruzando para a área. Bruno Gaspar cortou de forma deficiente e deixou a bola à mercê de Otávio, este atira em zona frontal mas Renan faz uma grande defesa.

O Sporting respondeu com dois bons remates, primeiro de Bruno Fernandes e depois de Raphinha. Aos 10 minutos, o capitão leonino rematou forte e colocado do meio da rua, bem ao seu jeito, mas Vaná respondeu com uma grande defesa. Um minuto depois foi a vez de Raphinha rematar perto do porte da baliza portuense. Na sequência do livre, bola sobra para Raphinha que atira forte, mas ao lado.

Aos 17 minutos, foi a vez de Diaby testar a atenção da defensiva azul e branca. Boa jogada do maliano pela esquerda, a ultrapassar Militão e a meter rasteiro para a entrada de Luiz Phellype. Pepe respondeu com um corte imperial, a evitar males maiores.

O primeiro caso do jogo aconteceu à passagem do minuto 23 com um golo anulado a Moussa Marega.O maliano ganhou espaço na área, o remate à meia-volta saiu certeiro para o fundo das redes após desvio de Soares, mas Jorge Sousa assinalou fora-de-jogo do maliano após consultar o vídeoárbitro.

Num jogo muito equilibrado até então, eis que aos 40 minutos surge o primeiro golo da partida. Livre de Alex Telles que mete a bola no segundo poste onde Herrera domina e coloca em Soares que, nas costas de Coates, cabeceia de forma certeira para o fundo das redes de Renan.

O Sporting respondeu a esta desvantagem com o empate em cima do intervalo através de um autogolo. Passe atrasado de Acuña para Bruno Fernandes, este ajeita e coloca a bola a entrar junto ao poste esquerdo. Há um desvio em Danilo Pereira que levou Jorge Sousa a recorrer ao VAR, mas o árbitro portuense acabaria por validar o golo do empate.

O FC Porto entrou no segundo tempo à procura de se voltar a colocar em vantagem e esteve perto de o conseguir logo aos 48 minutos. Marega lançou Tiquinho Soares, o brasileiro apareceu entre os centrais leoninos e rematou rasteiro, mas a bola acertou no poste da baliza defendida por Renan Ribeiro.

A partida foi-se desenrolando sem grandes oportunidades no segundo tempo. Destaque para um remate de Wendel aos 76 minutos. O médio brasileiro tirou Pepe do caminho e de pé esquerdo fez a bola passar muito perto do poste da baliza defendida por Vaná.

Pouco minutos depois foi a vez de Renan Ribeiro se destacar num momento pela negativa, mas logo depois pela positiva. Numa reposição de bola para Guldej, o brasileiro acaba por entregar a Herrera que remata à baliza, mas Renan consegue emendar o erro e defender. O guardião emendou uma asneira monumental que poderia ter dado o segundo golo ao FC Porto.

Em cima dos 90 minutos, a equipa de Sérgio Conceição teve duas oportunidades para sentenciar o encontro. Primeiro por Brahimi. Herrera amorteceu de cabeça para o argelino, este quase sem ângulo atira à baliza, mas Renan respondeu com uma grande defesa. Depois, Manafá rematou de fora da área, Danilo ainda desvia mas a bola foi caprichosamente ao ferro.

Já nos descontos, mais uma situação polémica. Pepe tentou isolar Soares, e Coates cortou o lance com o braço. Jorge Sousa mostrou o cartão amarelo ao uruguaio, mas os jogadores do FC Porto rodearam o árbitro a pedir vermelho. A proximidade de Mathieu pode ter pesado na decisão do juiz portuense.

Com o encontro empatado nos 90 minutos, tiveram de ser jogados mais 30 suplementares para descobrir que iria levantar a Taça de Portugal.

E foi o Sporting que marcou e se colocou pela primeira vez na frente do marcador, aos 101 minutos, nesta tarde solarenga de sábado. Jogada desenvolvida pela esquerda. Cruzamento de Acuña, corte mal feito por Felipe e a bola sobra para Bas Dost que ao segundo poste rematou cruzado para longe do alcance de Vaná.

De seguida uma defesa apertada de Renan Ribeiro. Adrián López fez um cruzamento-remate, mas o brasileiro estava atento e correspondeu com uma defesa.

Aos 112 minutos, Brahimi teve nos pés a oportunidade de voltar a empatar o encontro. Hernâni serve o argelino que passa por toda a gente rumo à linha de fundo, mas rematou quase sem ângulo e por cima da baliza leonina.

Quando tudo fazia prever que o Sporting conquistaria a Taça de Portugal, eis que o FC Porto empata nos descontos da segunda parte do prolongamento. Hernâni cruzou para a pequena área, Pepe cabeceou para o segundo poste onde Felipe apareceu a desviar para o golo.

Nos remates da marca dos 11 metros, o Sporting desperdiçou apenas um, enquanto Pepe e Fernando Andrade falharam para os 'dragões', permitindo ao clube lisboeta juntar a Taça de Portugal à Taça da Liga conquista em janeiro, numa final em que também bateu o FC Porto no desempate por grandes penalidades.

Finalista na temporada anterior, derrotado pelo Desportivo das Aves, o Sporting ergueu a Taça de Portugal pela 17.ª vez, primeira desde a época 2014/15, e isolou-se atrás do recordista de triunfos, o Benfica (26).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.