José Manuel Viage, treinador do Montalegre, mostrou-se orgulhoso com o que a sua equipa fez no jogo contra o Benfica e sublinhou que os seus jogadores mereciam o prolongamento.

"Sinto-me um treinador bastante feliz e orgulhoso pelos meus jogadores. Tínhamos dito que íamos tentar ganhar o desafio e jogámos olhos nos olhos com o Benfica. Defrontámos uma das melhores equipas de Portugal e os meus jogadores fizeram um jogo estrondoso e era justo, no mínimo, forçar o prolongamento. Não conseguimos, mas fica o jogo muito competente que os meus jogadores conseguiram realizar e saio daqui extremamente satisfeito que um clube como o Montalegre tenha jogado olhos nos olhos com o Benfica e saio daqui extremamente satisfeito que um clube como o Montalegre tenha jogado olhos nos olhos com o Benfica. Houve muitos momentos em que fomos superiores ao Benfica Tivemos momentos em que fomos brilhantes e o Benfica sentiu a nossa força", referiu na sala de imprensa.

O técnico da equipa transmontana criticou ainda o castigo que o impediu de estar sentado no banco de suplentes no jogo desta noite.

"Os jogadores gostavam que eu estivesse no banco, mas foi impossível. Apetecia-me dizer muita coisa sobre isso. Em Portugal costuma-se ser muito forte com os fracos e demasiado fraco com os fortes. Sérgio Conceição e Abel Ferreira, dois treinadores muito competentes, já foram expulsos e nunca deixaram de estar no banco. Se José Manuel Viage se chamasse Jorge Jesus, Rui Vitória ou José Mourinho, não tinha de estar 80 dias [suspenso]. Hoje não tiveram a sensibilidade de perceber que era um Montalegre-Benfica. Agora posso ter muitos Benficas, mas nunca será igual. Tiraram-me deste jogo mas não tiraram uma exibição estrondosa dos meus jogadores", finalizou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.