Novo jogo, e nova exibição sem convencer. O Benfica conseguiu sair da casa do Montalegre com uma magra vitória por 1-0, que assegurou aos 'encarnados' a passagem aos quartos de final da Taça de Portugal. Germán Conti marcou o único golo da partida, aos 31 minutos, e estreou-se a marcar com a camisola do clube da Luz.

O Benfica entrou em campo com muitas mexidas em relação à equipa inicial que venceu o Marítimo (1-0), na última jornada da I Liga. Apenas Jardel e Zivkovic se mantiveram em relação ao último encontro, numa equipa que contou com jogadores menos utilizados.A jogar num estádio com uma lotação nunca antes vista - 5.470 pessoas estiveram nas bancadas - e com muito frio à mistura, a formação que disputa a Série A do Campeonato de Portugal mostrou uma grande atitude e esteve sempre a disputar o jogo, sobretudo na primeira parte, em que criou mais perigo. E foram precisamente os transmontanos os primeiros a criar algum perigo no encontro. Vítor Pereira, num lance com muita gente na área, saltou mais alto que toda a gente e cabeceou ao lado, ao minuto sete.

O Benfica mostrou-se pouco fluido no ataque, perante um opositor 'atrevido' a atacar, mas também compacto quando tinha de defender. Os 'encarnados' procuraram sempre desequilibrar mais pela ala esquerda do que pela direita e estiveram perto do primeiro golo aos 10 minutos, quando o remate de João Félix a cruzamento de Zivkovic foi desviado por Vítor Alves.

Quatro minutos depois, o clube da Luz voltou a estar perto de marcar, num cabeceamento de Seferovic travado por Tiago Guedes, um dos melhores em campo do lado do Montalegre. Pouco depois o rendimento da equipa comandada por Rui Vitória caiu, e quem aproveitou esta situação foram os transmontanos que numa jogada que envolveu Zack e Gabi voltaram a criar perigo junto da baliza de Svilar. O remate pertenceu a Prince, mas este passou ao lado.

Os 'encarnados' não se conseguiam impor no jogo com o esquema tático escolhido pela equipa de José Manuel Viage, e foi através de um lance de bola parada que resolveram a partida. Conti apareceu solto de marcação na área e respondeu da melhor maneira a um canto de Zivkovic, da esquerda, com um cabeceamento fora do alcance de Tiago Guedes, aos 31 minutos.

A equipa de Rui Vitória entrou com mais calma no segundo tempo e controlou as operações até ao apito final de Manuel Oliveira. Destaque para três lances em que o Benfica podia ter ampliado a vantagem. Logo a abrir o segundo tempo, Corchia, de fora da área, atirou ao poste da baliza de Tiago Guedes. Depois foi João Félix que viu as suas intenções travadas pelo guardião transmontano, aos 59 minutos. O guarda-redes do Montalegre voltou a brilhar quando, aos 63, negou por duas vezes o 'bis' a Germán Conti.

Apesar do menor fulgor quando comparado com o primeiro tempo, o Montalegre nunca desistiu de chegar ao empate e Bela Tavares esteve perto de marcar aos 68 minutos, com o remate a passar a centímetros do poste da baliza de Svilar.

Com esta vitória, a equipa de Rui Vitória alcançou o sexto triunfo seguido em todas as provas e juntou-se a SC Braga, FC Porto, Feirense, Desportivo das Aves, Vitória de Guimarães, Sporting e Leixões, o único de divisões inferiores, na próxima ronda da Taça de Portugal.

O momento: Golo de Germán Conti

O Montalegre foi evitando enquanto pôde o golo do Benfica, mas foi incapaz de o fazer quando Conti, aos 31 minutos, se estreou a marcar com a camisola dos 'encarnados'. O argentino surgiu solto de marcação e respondeu de cabeça a um canto batido por Zivkovic.

A Figura: Tiago Guedes

Foi o pronto-socorro da equipa transmontana. Defendeu vários remates de jogadores do Benfica, alguns com defesas de encher o olho. Sem culpas no golo de Conti.

Melhores

Conti

Foi o 'patrão' da defesa do Benfica, realizando alguns cortes importantes que impediram que o perigo chegasse à baliza de Svilar. Marcou um golo na primeira parte, e esteve perto de bisar na segunda.

Vítor Alves

Como diz o provérbio popular, velhos são os trapos. Foi imperial no eixo defensivo do Montalegre e travou vários ataques do Benfica.

Paulo Roberto: Deu muito trabalho a Jardel e Conti. Criou algumas oportunidades de perigo junto da baliza encarnada.

João Félix e Zivkovic: Foram dos mais ativos do lado os 'encarnados', perante uma exibição cinzenta da equipa no geral. O sérvio criou algumas oportunidades de perigo e foi dos seus pés que saiu a assistência para o golo de Conti. Já o jovem português foi o grande distribuidor de jogo, e até falhou um golo feito, depois de uma assistência de Zivkovic.

Os piores:

Gabriel: O médio brasileiro tarde em justificar o alto investimento feito na sua contratação. Exibição pouco conseguida. Foi substituído por Gedson Fernandes na parte final do encontro.

Reações:

Rui Vitória: "Estamos num período de retoma, o importante é ir ganhando"

José Manuel Viage: "Era justo forçar o prolongamento"

Krovinovic: "Foi o sexto jogo a ganhar"

Gabi: "Temos de estar orgulhosos do que fizemos"

Tiago Guedes: "Foi um dia para recordar"

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.