João Mário concedeu uma entrevista à 'CNN' onde abordou um dos temas do momento: o racismo em Itália. O internacional português está emprestado pelo Inter Milão ao Lokomotiv Moscovo, pelo que sabe da realidade italiana. João Mário pede prisão para os adeptos que usam cânticos racistas nos estádios.

"Quando isto começa a acontecer demasiadas vezes começa a ser um problema. Acho que até, não só a UEFA e a FIFA, mas mesmo a política, os governos, alguém tem de fazer algo, já está a ser demais. Também já aconteceu com alguns amigos meus, como o Dalbert do Inter, num jogo com a Fiorentina. Devem começar a levar estes casos de uma forma mais séria e começar a processar quem faz este tipo de coisas. É um assunto muito importante, as pessoas precisam de mudar um pouco. Para mim é uma situação muito triste porque também já vivi lá e já aconteceu comigo também dentro do campo", revelou.

Salvini e o racismo em Itália: "Mais vale um operário que 10 Balotellis"
Salvini e o racismo em Itália: "Mais vale um operário que 10 Balotellis"
Ver artigo

Para o jogador português, as autoridades italianas não estão a fazer o suficiente para fazer frente a este flagelo.

"É algo que acontece todas as semanas em Itália, é triste. Agora já não estou lá, mas quando vejo as notícias, ou mesmo nas redes sociais, continua o mesmo. É preciso começar a prender estas pessoas e perceber que é preciso respeitar as pessoas de todas as cores. É um jogo de futebol, toda a gente gosta de futebol, mesmo em Itália amam o futebol, por isso sim, é preciso haver uma mudança", sublinhou.

"Chega de engolir! Chega de deixar para lá! Chega! Balotelli está farto do racismo em Itália
"Chega de engolir! Chega de deixar para lá! Chega! Balotelli está farto do racismo em Itália
Ver artigo

No passado fim-de-semana, Mario Balotelli voltou a ser alvo de abusos racistas em Verona, no Hellas-Verona Brescia. O internacional italiano, farto do cânticos, atirou uma bola para a bancada e ameaçou sair do relvado.

As autoridades de Verona tentaram abafar o caso e o próprio Ministro do Interior, Matteo Salvini, desvalorizou a situação.

Mas esta segunda-feira as autoridades italianas reagiram. O Verona proibiu o líder de adeptos radicais de entrar no estádio até 2030, ele que tinha dito que Balotelli nunca seria um verdadeiro italiano. Já a comissão de disciplina da Liga italiana de futebol decidiu encerrar por um jogo um setor do estádio do Verona, do qual partiram no domingo insultos racistas contra Mario Balotelli, avançado do Brescia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.