A seleção angolana de futebol encerrou nesta sexta-feira o ciclo de preparação para o jogo deste sábado com os Camarões, referente à segunda jornada do grupo D, do CHAN'2018, que decorre em Marrocos, cuja a predominância do seleccionador Vasiljevic recaiu para o setor mais avançado.

Sendo a área que mais o preocupa, pelo facto dos jogadores não estarem a concretizar as oportunidades em golo, o sérvio trabalhou a finalização, com desmarcações, cobranças de livres e cruzamentos para área contrária, onde apareciam os avançados, Fofó e Moco.
O ponta-de-lança Caporal continua com problemas no tornozelo do pé direito e não fez parte do treino.

O técnico não deixou de ter em atenção o setor mais recuado, com marcações mais acima, para impedir que o adversário chega à defesa com maior facilidade.

Em função do desgaste do jogo com o Burkina Faso (0-0), os 'Palancas Negras' recuperaram igualmente a condição física, em virtude ainda dos atletas camaroneses serem fisicamente mais forte.

Na sessão, o técnico repartiu o grupo em dois, para um jogo de trinta minutos, onde se viu os jogadores a movimentarem-se com facilidade.

Durante esta última sessão foi visível a satisfação no seio do conjunto, que mostra vontade de querer vencer os Leões Indomáveis, designação da selecção dos Camarões.

Antes do início dos trabalhos, o selecionador lançou o jogo em conferência de imprensa, onde admitiu o poderio dos camaroneses, afirmando ser uma equipa bem organizada e forte fisicamento, por isso espera-se por um jogo muito difícil.

Contudo, mostrou-se satisfeito com o rendimento da sua equipa, tendo em conta o curto período de preparação que tiveram.

De acordo com Sdrjan Vasiljevic, a equipa continuará a jogar em pressão alta, uma tarefa que exige uma agilidade dos futebolistas, mas que os mesmos têm sabido corresponder.

O treinador sonha alcançar objectivos mais altos e exige isso também dos seus jogadores, embora reconheça não depender somente da selecção nacional, existindo outros factores que podem influenciar quer pela negativa quer pela positiva.

“O nosso lugar é demonstrarmos as nossas qualidades e valores aos teoricamente mais fortes, e se passarmos de grupo já representa um grande êxito”, disse.

O internacional Mira também falou da prontidão de todos. “O professor tem feito um bom trabalho e nós vamos querer mostrar isso em campo”, realçou o lateral direito do Petro de Luanda.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.