José Maria Ricciardi, o candidato à presidência do Sporting pela lista B, falou aos jornalistas esta quinta-feira na sua sede de campanha, onde abordou a situação financeira dos 'leões', depois de Paulo Jorge Santos, membro da Comissão de Fiscalização, ter anunciado um défice de tesouraria de 120 milhões de euros.

"O que se passou ontem foi muito grave. Paulo Santos, membro da Comissão de Fiscalização, proferiu declarações sobre a situação financeira que são absolutamente verdadeiras. Se são 123, 115, 117 milhões, isso não é o fundamental. As coisas não são estáticas", começou por dizer o banqueiro.

De seguida, Ricciardi acusou a Comissão de Gestão do Sporting de estar a enganar os adeptos dos 'leões', sendo que se desmarcou das declarações de Paulo Jorge Santos. "Estão a branquear a situação financeira do clube e a mentir aos sócios deliberadamente, tudo porque a Comissão de Gestão, encabeçada por Artur Torres Pereira, quer apoiar outros candidatos. Estão a incumprir com aquilo que prometeram. Percebo que queiram apoiar alguns candidatos, mas às escondidas...", atirou o candidato.

José Maria Ricciardi acrescentou ainda que "a situação que o Sporting está a viver é muito difícil, mas é superável. Com uma combinação de fatores, temos de superar este buraco de tesouraria e conseguir levar o Sporting às vitórias e ao primeiro lugar. O fosso vai ser cada vez maior para quem não for campeão, tal como será este ano. Isto não é da responsabilidade da Comissão de Gestão ou da administração da SAD. Agora, que se venha tentar branquear isto, quando Paulo Santos está a dizer a verdade, esta mentira é extremamente grave."

Para explicar a situação, o banqueiro esclareceu que "o Sporting não paga um tostão a um único fornecedor que tem, endo que existem dezenas de dívidas que não estão a ser pagas. E não consegue pagar aquele que ainda deve ao SC Braga do Battaglia e ao Vitória Guimarães do Raphinha, teve que ser restruturado o esquema de pagamentos. Estão a pagar com grandes dificuldades os vencimentos de funcionários e jogadores. Se nada acontecer, não haverá dinheiro para salários. Agora, dizer que a situação não é problemática, os sócios têm de saber que isto é mentira. Eu desafio os membros da Comissão de Gestão, que venham ao programa da Sporting TV dizer que a gravidade da situação da tesouraria não é grave."

As declarações de José Maria Ricciardi chegam a dois dias das eleições para a presidência do Sporting, no próximo sábado, que o opõem a  João Benedito (A), Frederico Varandas (D), Rui Jorge Rego (E), Dias Ferreira (F) e Tavares Pereira (G).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.