A pressão era grande antes do jogo com os madeirenses e promete agora crescer nos próximos dias. O empate (1-1) deixa os leões a 12 pontos do Sp. Braga quando estão cumpridas apenas nove jornadas na Liga.

Esta noite, Paulo Bento trocou Caicedo por Postiga na aposta para o onze, mas o avançado português tarda em afirmar-se como o parceiro ideal para Liedson. Numa equipa renovada ainda com as entradas de André Marques e Pereirinha, o Sporting entrou hoje com a atitude exigida por Paulo Bento. Mais pressionante e incisiva, ainda que sem a inspiração necessária.

Depois de uma primeira parte onde o Sporting foi sempre mais ofensivo, mas ineficaz, o golo de Matías Fernández, aos 54 minutos, parecia resolver os problemas do Sporting. O médio chileno aproveitou uma desconcentração na defesa madeirense, fugiu pelo flanco direito e depois de entrar na área fuzilou Peçanha com um tiro ao ângulo. Indefensável.

O golo despertou o Marítimo e Manú não demorou muito a repor as contas do jogo. O extremo não sofreu qualquer pressão no meio-campo leonino, avançou em direcção à área e rematou a quase 30 metros para um golo de belo efeito.

Os planos de Bento voltavam à estaca zero. O técnico tentou então dar nova dinâmica, com Caicedo, Pedro Silva e Saleiro. As trocas empurraram o Marítimo para a sua área, mas o maior assédio não surtiu efeito em golos. Carriço, por duas vezes, e Postiga quase marcaram, mas os remates saíram sempre desviados do alvo.

No entanto, a frustração leonina 'explodiu' no último minuto, quando Caicedo, isolado perante Peçanha, atirou ao poste e a bola fugiu lentamente da baliza dos madeirenses.

O jogo terminou instantes depois, sob uma monumental assobiadela dos 22 857 adeptos que se deslocaram a Alvalade. Jogadores e equipa técnica saíram ainda do relvado num cenário preenchido com muitos lenços brancos.

E voltaram a ouvir-se os cânticos de protesto em Alvalade.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.