Gonçalo Paciência está emprestado pelos Dragões aos Estudantes de Coimbra e o avançado português revelou de quem partiu a decisão da cedência.

“Fiz seis meses com o plantel principal do FC Porto e acho que estive bem nas quatro oportunidades que me deram para jogar. Até fiz um golo à Académica. Sobre o empréstimo, acho que partiu das duas partes. Sabia que ia jogar pouco, mesmo com a saída do Jackson. Percebi que o Aboubakar ia ser a primeira opção. Não fazia sentido continuar na equipa B, por isso decidimos o empréstimo. Quis jogar na Liga e dar boa resposta”, começou por dizer Gonçalo Paciência, em declarações ao site Mais Futebol.

Na sua opinião, Gonçalo Paciência tinha espaço no plantel de Lopetegui.

“Acho que cabia. Não me sinto inferior a nenhum dos pontas de lança. Somos diferentes. Enfim, são opções. O mister Lopetegui tomou essa decisão e tenho de a aceitar, claro. Gostaria de ter ficado, mas este ano o André Silva vai desempenhar o papel que tive na época passada”, referiu, acrescentando que não está magoado com o treinador espanhol.

“Respeito as decisões de Julen Lopetegui, mas podia ter feito pelo menos mais três ou quatro jogos. Houve momentos em que podia perfeitamente ter entrado. Respeito todas as decisões. Ele foi muito importante para mim, atenção. Foi o treinador que me lançou na equipa principal do FC Porto. Tenho de lhe estar grato, apesar de poder ter jogado mais. É um bom treinador”, explicou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.