Os clubes do Minho estiveram em grande destaque na última edição do campeonato nacional. O SC Braga chegou a lutar por uma presença no pódio, mas acabou por ser ultrapassado. Já o Vitória SC garantiu um lugar europeu na última jornada do campeonato numa temporada em que o Moreirense alcançou a sua melhor posição no campeonato nacional.

'Habitual' quarto lugar soube a pouco ao Sporting de Braga

Pela quarta vez nas últimas cinco temporadas, o Sporting de Braga ficou no quarto lugar da I Liga de futebol, numa época que chegou a lutar pelos lugares do pódio, mas que acabou aquém das expectativas.

O objetivo era ficar entre os quatro primeiros classificados, mas sabe a pouco aos responsáveis minhotos tendo em conta que a equipa ocupou posições mais cimeiras durante boa parte da época, já para não falar do 'sonho' de ser campeão até ao centenário do clube, em 2021.

Moreirense vence SC Braga
Moreirense vence SC Braga créditos: © 2019 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

No entanto, nas últimas oito jornadas, o Sporting de Braga averbou cinco derrotas, "ponta final desastrosa", segundo o líder 'arsenalista', António Salvador, que comprometeram outras ambições.

O quarto lugar é a classificação mais vezes (10) alcançada pelo Sporting de Braga nos últimos 20 campeonatos, sendo a quarta vez nas cinco anteriores edições, e reflete o limbo em que parece estar: atrás dos três 'grandes' e sem grande oposição das restantes equipas.

A temporada começou da pior maneira com a eliminação ainda na terceira pré-eliminatória da Liga Europa pelos modestos ucranianos do Zorya, com empates fora (1-1) e em casa (2-2).

Nas taças da Liga e de Portugal, a desilusão também foi grande com eliminações nas meias-finais. Na Taça de Portugal, os bracarenses caíram com o FC Porto (3-0 no Dragão e 1-1 em casa) e, na Taça da Liga, a jogar em Braga, perderam o acesso à final no desempate por grandes penalidades para o Sporting (4-3 após 1-1 no tempo regulamentar).

Sporting vs Sporting de Braga
Ristovski e Diaby disputam a bola com Raul Silva. MIGUEL A. LOPES/LUSA créditos: Lusa

No campeonato, a derrota expressiva (3-0) em Alvalade, na 22.ª jornada, diante de um Sporting com então menos sete pontos do que os minhotos, abalou a equipa que, na 28.ª jornada, foi definitivamente ultrapassada pelos 'leões'.

Até aí o futebol dos minhotos não encantava como na época anterior, mas, à passagem da 21.ª jornada, o Braga seguia em terceiro lugar a apenas um ponto do segundo (Benfica) e a dois do líder (FC Porto).

Abel Ferreira, que renovou até 2020/21 há cerca de um ano, utilizou muito pouco jogadores como Marafona, Diogo Figueiras, Fábio Martins, Ailton ou Eduardo, tendo lançado, ainda que pela lesão de Matheus, o guarda-redes Tiago Sá.

FC Porto vs Sporting de Braga
Dyego Sousa controla a bola. FERNANDO VELUDO/LUSA créditos: © 2019 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

Dyego Sousa foi o maior destaque na primeira metade da temporada, tendo chegado a liderar por várias semanas a lista dos melhores marcadores do campeonato.

Contudo, a produção do ponta-de-lança nascido no Brasil e agora internacional português caiu muito na segunda volta - apenas três golos -, ficando a dúvida se foi mais causa ou consequência da queda da equipa.

Vitória de Guimarães atinge objetivos na última jornada

O Vitória de Guimarães apurou-se para a Liga Europa de futebol e alcançou o quinto lugar na I Liga portuguesa, graças ao triunfo sobre o Moreirense (3-1), na 34.ª jornada, tendo cumprido os objetivos traçados para a época.

Nono classificado no campeonato anterior, com 43 pontos, o clube minhoto assumiu, para 2018/19, a meta de regressar à 'Europa' e de obter um lugar entre os cinco primeiros. A equipa conseguiu-o na última ronda, com os mesmos 52 pontos do vizinho de Moreira de Cónegos, depois de ter cumprido quase toda a segunda volta na sexta posição.

Hélder Ferreira celebra o golo do triunfo do Vitória SC sobre o Feirense
O jogador do Vitória de Guimarães, Hélder Ferreira, festeja após marcar um golo contra o Feirense durante o jogo da primeira Liga de futebol realizado no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimaraes, 11 de dezembro de 2017. créditos: Hugo Delgado

Em 2019/20, os vimaranenses vão iniciar a participação na Liga Europa na segunda pré-eliminatória, cuja primeira mão está agendada para 25 de julho e a segunda para 01 de agosto.

Mesmo com os objetivos alcançados, o Vitória protagonizou um campeonato intermitente, consoante o 'palco' onde jogava: no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, venceu 10 jogos, empatou quatro e perdeu três, mas fora de casa só ganhou cinco, tendo empatado três e perdido nove.

Depois de ter contratado ao Desportivo de Chaves o treinador Luís Castro para a nova época, o clube minhoto perdeu os três primeiros jogos oficiais, com o Tondela, para a Taça da Liga (2-0), o Benfica (3-2) e o Feirense (1-0), para a I Liga, antes de somar o primeiro triunfo, ante o FC Porto (3-2), no Dragão, para a terceira jornada - numa das duas reviravoltas que conseguiu em 2018/19.

Vitoria de Guimaraes vs SL Benfica
Luís Castro, treinador do Vitória SC. OCTAVIO PASSOS/LUSA créditos: © 2019 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

O sistema de jogo vitoriano - um '4-3-3' assente em passes curtos e triangulações - ganhou estabilidade, e a equipa chegou ao quinto lugar, após cinco triunfos e quatro empates entre a sexta e a 14.ª jornadas - essa fase, a melhor da época, acabou com um triunfo caseiro ante o Sporting (1-0).

A partir daí, o Vitória tornou-se numa equipa de 'duas caras', tendo vencido seis dos 10 encontros que realizou como anfitrião, com muita solidez defensiva - foi a segunda melhor defesa em casa, com 12 golos, mais três do que o FC Porto - e perdido sete dos outros 10 que disputou como visitante.

Vitória de Guimaraes vs Sporting
Tozé abriu o marcador para os vimaranenses créditos: LUSA

Ao longo do campeonato, o médio Tozé, com nove golos, e o extremo Davidson, com oito, foram os melhores marcadores da equipa de Luís Castro, com o central Pedro Henrique a distinguir-se como o jogador mais utilizado, com 2.868 minutos em 32 jogos.

Contratado no início da época ao FC Porto para dar criatividade ao meio-campo, João Carlos Teixeira contribuiu de forma mais modesta para o quinto lugar, com apenas cinco jogos a titular num total de 20 na I Liga.

Pequenino Moreirense 'agigantou-se' mas ficou à porta da Europa

O Moreirense da temporada 2018/19 bateu todos os seus recordes, metas e objetivos, ao somar 52 pontos e ao chegar ao histórico sexto lugar, mas ficou duplamente à porta da Europa.

A classificação só ficou definida na derradeira jornada e logo num dérbi concelhio que levou a Moreira de Cónegos o Vitória de Guimarães. O jogo acabou com um 3-1 para os vitorianos que assim 'roubaram' o quinto lugar aos 'cónegos', uma posição que estes detinham desde a jornada 27 e que nas últimas 15 jornadas foi sua por 14 vezes.

Os jogadores do Moreirense festejam após marcarem um golo contra o Feirense
Os jogadores do Moreirense festejam após marcarem um golo contra o Feirense créditos: LUSA

Mas ter ficado em sexto - apesar de histórico para um clube que habitualmente luta para não descer de divisão - não foi sinónimo de não ida à Europa.

O clube ficou à porta graças à classificação, mas teria ficado de qualquer forma porque a direção não inscreveu o emblema nas competições europeias, uma polémica que marcou mais de metade da época do clube.

Os vimaranenses, cujo melhor registo até aqui era um nono lugar na época 2003/04, mas esta temporada em 34 jornadas somaram 16 vitórias, quatro empates e 14 derrotas, começaram cedo a desenhar uma caminhada histórica.

FC Porto vs Moreirense
David Teixeira celebra o golo do Moreirense. EPA/FERNANDO VELUDO

À 10.ª jornada, depois de uma vitória caseira sobre o Portimonense, com golos de Nenê e Pedro Nuno, conseguiram alcançar 16 pontos e superar a melhor pontuação registada até à altura no principal escalão, que eram 13 pontos na época 2014/15, sob o comando de Miguel Leal.

Antes, na nona jornada, outro apontamento de 'gigante' para um clube cujo refrão do hino o descreve como 'pequenino, mas valente': o Moreirense venceu no Estádio da Luz e por 3-1 um Benfica que viria a sagrar-se campeão.

E, à 16.ª jornada, novo recorde graças à soma de nove vitórias no principal escalão, algo conseguido ainda antes da primeira ronda fechar e que contrasta com percursos e tendências anteriores, uma vez que na última época o Moreirense ganhou em toda a temporada apenas oito vezes.

Moreirense vs SL Benfica
Ivo Vieira, treinador do Moreirense, no jogo contra o Benfica. OCTAVIO PASSOS / LUSA créditos: © 2019 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

A ser dado um rosto ao responsável, esse é Ivo Vieira, o treinador insular que exigiu "vénias" aos jogadores e garantiu, admitindo frustração, até à última jornada, não ter informação sobre se a inscrição nas competições europeias estava ou não feita.

Quanto a jogadores, destaque para Chiquinho o melhor marcador do Moreirense com duas mãos cheias de golos marcados (oito para o campeonato e dois na Taça de Portugal), mas também para o central Mohamed Abarhoun que deixou o Moreirense no mercado de inverno para jogar nos turcos do Rizespor ou para o médio Loum, emprestado pelo Sporting de Braga e que a meio da época rumou ao FC Porto.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.