O FC Porto venceu, este sábado, o Sporting por 2-1, em jogo da 34.ª e última jornada do campeonato português, disputado no Estádio do Dragão. Luiz Phellype marcou, aos 61 minutos, o primeiro golo do clássico, em que o Sporting esteve a jogar com menos um jogador desde os 17 minutos. Danilo Pereira empatou para os dragões nos instantes finais e Herrera ditou a reviravolta aos 87 minutos. Porém, o título de campeão nacional foi para o Benfica, que venceu os últimos cinco dos seis campeonatos disputados.

No jogo desta tarde, Sérgio Conceição mexeu em duas peças do seu 'onze' em relação ao encontro com o Nacional, na Madeira. Pepe e Herrera foram titulares em detrimento de Manafá e Óliver.

Do lado leonino, Marcel Keizer fez quatro mudanças face à equipa que apresentou diante do Tondela (1-1), em Alvalade. Os castigados Coates e Ristovski cederam os lugares a André Pinto e Bruno Gaspar. Petrovic rendeu Wendel e Diaby ocupou o lugar de Raphinha.

Numa entrada frouxa por parte de ambas as equipas, o Sporting viu-se a jogar com dez jogadores após a expulsão de Borja logo aos 17 minutos com vermelho direto. O lateral envolveu-se num lance com Corona e Fábio Veríssimo inicialmente mostrou o cartão amarelo, mas depois de consultar o VAR, expulsou o jogador leonino. Com a expulsão, Acuña recuou e fechou a lateral esquerda. Bruno Fernandes descaiu para o lugar do argentino.

Aos 35 minutos, Marega chegou mesmo a colocar a bola na baliza de Renan, mas o lance já tinha sido anulado por Fábio Veríssimo.

No início do segundo tempo, Sérgio Conceição mexeu na equipa, colocando Wilson Managá e Brahim nos lugares de Pepe e Otávio. Ao mesmo tempo, nas bancadas, os Super Dragões exibiram uma tarja gigante na qual se viu os árbitros equipados à Benfica, assim como o primeiro ministro António Costa, e com a legenda: “campeões nacionais 2018/19”.

Enquanto o Benfica ia goleando o Santa Clara na Luz, outro balde de água fria chegou ao Dragão. Aos 61 minutos, num contra-ataque do Sporting, conduzido por Diaby, que serviu Acuña na esquerda, o argentino viu Luiz Phellype a desmarcar-se no outro lado, fez o passe e o brasileiro atirou cruzado, fora do alcance de Vaná.

O FC Porto respondeu aos 78 minutos num pontapé de canto cobrado por Corona. A bola desviou em Felipe, sobrou para Danilo e o internacional português cabeceou de forma subtil para o empate na partida.

A equipa da casa não desistiu e, aos 87’, fez o golo da vitória. Novamente num pontapé de canto, houve um primeiro desvio no coração da grande área e Herrera, de forma acrobática, atirou cruzado para o fundo das redes.

Já em cima do minuto 90, num lance que envolveu uma disputa de Corona e Acuña, gerou-se uma grande confusão entre todos os jogadores, com a PSP a intervir. Petrovic terá agredido um contrário e o árbitro acabou por expulsar Corona.

Com este resultado, o FC Porto terminou o campeonato no segundo lugar, com 85 pontos, menos dois do que o Benfica, que reconquistou o título nacional, ao vencer em casa o Santa Clara, por 4-1, enquanto o Sporting finalizou no terceiro posto, com 74.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.