Enzo Perez, jogador do River Plate, recordou, em entrevista à Conmebol Libertadores, a forma como Jorge Jesus modificou a sua carreira e a sua forma de jogar enquanto seu treinador no Benfica.

O argentino afirma que o técnico português foi o que mais lhe alterou a visão do jogo, e conta a história de como tudo aconteceu.

"Eu lembro-me que tinha viajado para a Argentina porque tinha sido convocado para a seleção. Quando voltei, [o Benfica] tinha vendido o Witsel, estava para vender o Javi Garcia. Em Portugal, a janela de transferências estava fechada. Cheguei e ele [Jorge Jesus]  chamou-me ao escritório e conversamos. Ele disse-me: 'Olha, o único médio que tenho e que pode fazer o que eu quero, pelas características que tem, és tu. Estás preparado? Eu vejo que tens condições para isso'... Os técnicos também te adoçam os ouvidos [risos]", contou.

Apesar da mudança no seu posicionamento, Enzo aceitou a 'proposta' e 'JJ' deixou-lhe uma garantia.

"Eu disse que não tinha problema em faze-lo, mas ele tinha de entender que em toda a minha carreira, ou em parte dela, eu joguei por fora e que estar a jogar por dentro mudava completamente a minha perspetiva. Ele disse-me: 'Fica tranquilo que eu vou fazer com que a tua carreira melhore e seja mais longa'", revelou, contando ainda a forma como o técnico português o transformava num cinco.

"Todos os dias, mas todos os dias, vídeos, com as suas fichas, mostrava-me vídeos dos camisolas cinco que tinha treinado. (...) Ele foi marcando coisas para os treinos, eu lembro-me que ele fazia coisas que seriam de trabalho de equipa, mas apenas para mim, para que eu me posicionasse. Um obsessivo, um louco", considerou.

O médio argentino revela ainda a motivação dada por Jorge Jesus nos seus primeiros jogos na posição, mesmo que Enzo tivesse a noção que tinha realizado um mau jogo.

Eu lembro-me que acabavam os jogos, ele vinha, abraçava-me e dizia: 'Hoje deste cabo de tudo, foste um fenómeno', mas dentro de mim eu dizia 'Fui um desastre' Eu saia exausto. Em vez de tocar 50 ou 60 vezes na bola, tocava 10. E das 10 , cinco tinha tocado mal. Houve predisposição minha e dele para continuar a melhorar. 2013 foi todo assim e 2014 igual. Em 2014, fui eleito o melhor jogador da Liga na posição", disse.

"A verdade é que ele ter-me entendido e eu o ter entendido a ele, foi muito bom", concluiu o jogador.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.