O antigo jogador do FC Porto Deco considerou hoje complicada a situação vivida por quatro futebolistas sul-americanos do clube, depois de uma noitada em vésperas de um jogo dos 'azuis e brancos'.

À margem da apresentação do livro do comentador Luís Freitas Lobo, 'O futebol com que sonhei', o luso-brasileiro deu a opinião em relação ao castigo aplicado a Marchesín, Saravia, Luiz Díaz e Uribe, que fizeram uma noitada em vésperas de um jogo dos portistas.

"É sempre complicado, os jogadores têm de ter um pouco mais de cuidado. Conhecendo o clube, depois de uma derrota e com um jogo no fim de semana, é sempre difícil e acaba por haver problemas, mesmo não havendo alguma maldade no que os jogadores fizeram. É natural que o clube tome as suas medidas", disse o ex-atleta.

Confrontado sobre se este episódio será facilmente ultrapassáveis, Deco foi direto: "Há um regulamento e quando os jogadores o infringem o clube tem de tomar algumas atitudes. É óbvio que são jogadores importantes para o clube e tem que se voltar à normalidade."

Deco, que é também empresário de Soares, falou ainda da situação do jogador no FC Porto.

"Tem contrato com o FC Porto. Quando os jogadores têm contrato são os clubes que decidem, não são os empresários. Nunca vou forçar, nem tenho poder para isso", admitiu em relação a uma possível saída.

O empresário brasileiro falou ainda sobre o desempenho de Jorge Jesus à frente do Flamengo, não se mostrando surpreendido com o sucesso.

"A mim não me espanta. Conheço as capacidades de Jesus. Sei daquilo que é capaz como treinador. O Flamengo é um clube que se reestruturou muito nos últimos anos. A verdade é que não ganhava mas o Jesus conseguiu. Não adianta ter grandes jogadores quando não se tem um grande treinador. E ele conseguiu colocar o Flamengo a jogar a um nível muito alto", finalizou.

*Artigo atualizado às 23h59

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.