O presidente do Marítimo, Carlos Pereira, classificou de "abominável" e "cobarde" a alegada denúncia anónima que visou o guarda-redes iraniano Amir.

Amir  viu o seu nome envolvido numa alegada denúncia de tentativa de suborno, segundo a qual teria sido aliciado com 200 mil euros no jogo deste domingo, entre os madeirenses e o FC Porto.

"Esta denúncia é uma forma miseravelmente cobarde de procurar ganhar a qualquer preço e não abona nada o futebol português. Se alguém pretendeu perturbar o Amir, apenas conseguiu que ele ainda mais se motivasse para o jogo. Esta pode ser também uma forma de procurar desestabilizar a equipa, mas certamente que não o vão conseguir", afirmou Carlos Pereira ao DN Madeira.

Carlos Pereira garantiu ainda que Marega, avançado dos 'dragões', está pago na totalidade. "As situações com o FC Porto estão normalizadas. Nego, de forma perentória, que tenha existido qualquer contato com o FC Porto, nem agora nem ontem. Isto é um vale tudo que abomino e que deveria ser abolido do nosso futebol", frisou.

Para o dirigente, "só se chegou a este nível tão baixo no futebol português, porque a justiça não funciona do modo que deveria funcionar. Isto só serve para alimentar os programas desportivos nas televisões".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.