O Benfica informou, num comunicado enviado à CMVM referente a um novo empréstimo obrigacionista, que tinha os passes de oito jogadores "dados em penhor" a 31 de dezembro de 2018 como garantia de um empréstimo bancário.

André Almeida, Fejsa, Lisandro López, Pizzi, Rafa, Raúl Jiménez, Samaris e Salvio eram os atletas em causa, sendo que o mexicano já foi contratado em definitivo pelo Wolverhampton e o defesa central argentino está cedido ao Boca Juniors. O documento em questão não especifica, contudo, se os passes se encontram ainda sob penhor.

"A 31 de dezembro de 2018, os direitos económicos e os respetivos contratos de seguro desportivo referente a acidentes pessoais dos atletas André Almeida, Fejsa, Lisandro Lopez, Luís Fernandes (Pizzi), Rafael Silva (Rafa), Raúl Jimenez, Samaris e Salvio encontravam-se dados em penhor como garantia de um empréstimo bancário", pode ler-se no prospeto, citado pelo jornal Expresso.

Sobre a nova operação financeira, o Benfica colocou no mercado uma oferta pública de troca (OPT), ao mesmo tempo que lançou uma oferta pública de subscrição (OPS), com o principal objetivo de reembolsar os detentores de títulos emitidos em 2017 e que estão mais perto de vencer.

A nova OPS é de 25 milhões de euros (5 milhões de títulos a 5 euros cada um), ao passo que a OPT incide sobre 25 milhões de euros de obrigações que chegam à maturidade no próximo ano. Registam-se, no entanto, diferenças, pois os novos títulos pagam um juro de 3,75 por cento, enquanto as obrigações anteriores rendem 4 por cento.

Com esta operação, a SAD benfiquista vai conseguir poupar nos juros, já que a remuneração dos novos títulos é mais baixa.

No mesmo prospeto constam, também, informações sobre contratações e vendas de jogadores. Por exemplo, a compra de Gabriel teve um custo de 9,670 milhões de euros (passe, intermediação, prémio de assinatura, atualização financeira) e a renovação de Salvio um custo de 2,936 milhões (prémio de assinatura, intermediação).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.