Há muita coisa em jogo no clássico de Manchester. O United recebe, esta quarta-feira, o City em Old Trafford com a necessidade de apagar a humilhante derrota para o Everton (4-0), de se manter na disputa pela Liga dos Campeões e com a opção de atrasar o rival/vizinho na luta pelo título.

Após ser eliminado nos quartos de final da Champions pelo Tottenham, o City encara esta partida em atraso da 34ª jornada da Premier League como um passo crucial no caminho rumo ao 'triplete' nacional. Já campeão da Taça da Liga e finalista da FA Cup, a equipa de Pep Guardiola garantirá um novo título inglês se vencer todos os jogos que lhe restam até ao fim da temporada.

Com dois pontos a menos que o Liverpool na tabela classificativa, mas um jogo a menos que o rival, uma vitória sobre o United devolveria a liderança ao City, que encararia os últimos três jogos na Premier League em vantagem, já com o mesmo número de partidas disputadas que os 'Reds'.

Vencer Burnley, Leicester e Brighton, três equipas relativamente modestas, seriam os seguintes passos para que o City revalidasse o título inglês do ano passado. Em caso de tropeção nesta quarta-feira em Old Trafford, os 'citizens' teriam que torcer para que o Liverpool perdesse pontos nas rondas finais.

"Somos um clube que cresceu muito na última década e não nos assusta jogar lá (em Old Trafford). Antes, podia ser um pouco mais difícil, agora os jogadores do City fizeram deste duelo mais equilibrado", analisou Guardiola nesta terça-feira.

Sem De Bruyne

Do outro lado do campo estará um United que sabe que vencer o City, ferindo o vizinho na luta pelo título inglês, é a melhor maneira de curar a ressaca pós-goleada sofrida diante do Everton.

Uma vitória no clássico, porém, também seria importante para o United seguir a sonhar com o único objetivo que lhe resta na temporada: a qualificação para a próxima Liga dos Campeões. Nesta luta, os 'red devils' puderam pelo menos contar com o consolo dos tropeções na última jornada de Tottenham, Arsenal e Chelsea, seus rivais diretos.

Uma derrota seria praticamente um adeus à Champions. Além disso, abriria as portas para a saída de diversos jogadores, depois do técnico Ole Gunnar Solskjaer deixar a entender no domingo que muitos atletas que não estão a render o esperado não estarão na equipa na próxima temporada.

"Tivemos uma reunião depois do jogo (contra o Everton) e todos os jogadores estavam muito decepcionados e tocados por causa da nossa atuação. O jogo contra o City é perfeito. Não haverá onde se esconder em campo", declarou Solskjaer.

No clássico, o City não poderá contar com o belga Kevin De Bruyne, que sofreu uma lesão muscular no sábado na vitória por 1-0 diante do Tottenham.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.