Cristiano Ronaldo e Wayne Rooney marcaram uma 'era' em Old Trafford no final da década passada com muitos golos e vários títulos, nomeadamente a Liga dos Campeões em 2008.

O internacional português falou sobre o antigo companheiro de equipa no documentário "Wayne Rooney: The Man Behind The Goals" e não poupou elogios ao avançado inglês, que no próximo dia 15 de novembro despede-se da seleção inglesa num particular com os Estados Unidos que irá marcar a sua 120ª internacionalização.

"Tenho grandes memórias [do Wayne Rooney], foi um grande companheiro. Todos o adoravam, um fantástico rapaz, grande jogador. Lembro-me que na equipa chamavamos-lhe o 'Pitbull'. Porque era forte, tinha um remate impressionante e marcava muitos golos. Tenho saudades de jogar com ele... Ninguém conhece o futuro, quem sabe se um dia não voltamos a jogar juntos?", começou por recordar Cristiano Ronaldo sobre as primeiras memórias que teve de Wayne Rooney no Manchester United.

"Éramos liderados por um fantástico treinador, Sir Alex Ferguson, que sabia tirar o máximo rendimento dos jogadores. O Rooney era o ponta-de-lança e Sir Alex conhecia bem o potencial dele. No segundo ano jogámos mais juntos à frente, foi uma época fantástica, marcámos muitos golos, foi incrível. Ganhámos a Liga, a Taça de Inglaterra, a Liga dos Campeões... Fui tão feliz lá. Foi o ano que marcámos mais golos; eu ele e o Tevez. Talvez tenha sido o meu melhor ano lá, 2007/08", acrescentou Cristiano Ronaldo sobre a dupla temível que fez com Wayne Rooney.

"No início era difícil para mim porque eu não falava inglês. E depois eu não entendia o que ele dizia, ele é de Liverpool, e o sotaque é muito complicado [risos]. Mas criámos uma grande relação, mais dentro do campo. Sempre me ajudou, é uma pessoa fantástica, um rapaz incrível", descreveu Cristiano Ronaldo sobre a amizade que os une fora do campo.

Questionado sobre o incidente da piscadela de olho no Mundial de 2006 durante o jogo entre Portugal e Inglaterra, Cristiano Ronaldo fez algumas revelações sobre esse episódio para garantir que tudo foi resolvido no regresso a Manchester.

"Criaram um grande drama que não tinha razão de ser. Quando regressei estava com um pouco de medo, não por causa do Rooney, mas pelos adeptos. Quando se joga pelo nosso país defendemos as nossas cores. Criou-se uma grande história, mas isso já passou. Conversámos quando regressei ao Manchester United, somos amigos e falamos disso. Ele entendeu o meu ponto de vista. Esse período foi complicado para mim, mas as coisas correram bem. Sir Alex Ferguson ajudou-me, disse-me que as pessoas são simpáticas e que não iam assobiar-me. O Wayne Rooney também ajudou, disse-me para olharmos para o presente, para ganharmos troféus e seguir em frente", disse o jogador da Juventus sobre o incidente em 2006.

Já em relação às características de Wayne Rooney enquanto jogador, Cristiano Ronaldo destacou a força e a mentalidade.

"Destaco a força, mentalmente é muito forte. Nunca desiste ao longo dos 90 minutos. É por isso que gosto do futebol inglês, ninguém desiste até ao final do jogo. A mentalidade do 'Ron' sempre foi ajudar a equipa, é um fantástico jogador, de equipa, e marcador de golos", atirou Ronaldo.

Sobre o máximo de golos por Inglaterra, Cristiano Ronaldo deu os parabéns a Rooney e recordou que também ele alcançou a marca histórica de Pauleta e que isso lhe deu muita felicidade.

"Há um ano também bati o recorde do Pauleta e sei o que ele deve estar a sentir, dou-lhe os meus parabéns. Fico muito feliz por ele", sentenciou Cristiano Ronaldo.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.