Fernando Santos considera que a equipa comandada por Carlos Queiroz podia ter sido mais ambiciosa no Mundial 2010 e apontou os jogos com Brasil e Espanha como os mais negativos nesse aspecto.

"No jogo com o Brasil, sim, e nas substituições após o golo da Espanha, também. Teria feito de maneira diferente, confesso. Mas foi uma opção estratégica, que, como todas, pode ou não dar certo", afirmou o técnico português em entrevista ao Diário de Notícias, acrescentando, que teria tirado Pepe para colocar Liedson e alterar assim o esquema para "4x4x2".

O seleccionador da Grécia considera ainda que Queiroz contrariou as características mais vincadas da selecção nacional, ao centrar as suas opções estratégicas "numa organização defensiva mais forte".

Sobre os casos de Nani e Deco no seio da selecção, Fernando Santos frisou que para o médio luso-brasileiro só havia duas soluções e nenhuma foi utilizada por Carlos Queiroz. "Ou ficava no grupo como uma opção válida ou então era mandado de regresso a Portugal", explicou. Já sobre Nani, o técnico impunha uma maior presença dos médicos: "Era obrigatório um comunicado que não permitisse especulações e que impedisse a exposição do treinador."

Cristiano Ronaldo também mereceu alguns comentários do novo seleccionador helénico, que mostrou-se compreensivo com o seu menor rendimento pela selecção do que o nível exibido no Real Madrid. "Numa selecção nunca se consegue o grau de automatismo de um clube", explicou.

Fernando Santos conclui ainda que Queiroz deve continuar, face aos dois anos de contrato que lhe restam, mas salientou na entrevista que "há algumas coisas para rectificar".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.