50 anos depois, o Sporting voltou a defrontar o LASK Linz e conseguiu, novamente, sair vitorioso do encontro com o atual segundo classificado da Liga austríaca. Num jogo de reeencontros, e depois de no final de setembro de 1969 ter vencido os austríacos por 4-0 em casa, em jogo a contar para a Taça das Cidades com Feiras, o clube de Alvalade conseguiu na noite de quinta-feira arrecadar os três pontos com uma vitória por 2-1, no jogo da segunda jornada do grupo B da Liga Europa. Golos e assistências de Luiz Phellype e Bruno Fernandes conseguiram fazer com os leões levassem de vencida o LASK, isto depois de uma primeira parte em barco no que toca às oportunidades de golo da equipa de Silas, treinador que se estreou em competições europeias.

O Jogo: Entrada em falso e sem ideias do Sporting quase deu origem a um pesadelo cor de rosa.

Silas deciciu surpreender naquele que foi o seu primeiro jogo europeu enquanto treinador do Sporting. Numa abordagem complatemente errada ao encontro, o treinador fez alinhar um esquema tático composto por três centrais (3-5-2), que também se desdobrava em 4-3-3, com Neto a encostar à direita. Contudo, quem pareceu surpreendido com estas mudanças foi o Sporting que apenas não se encontrou a perder logo no primeiro minuto porque Renan Ribeiro, com duas defesas, impediu Frieser de inaugurar o marcador. Aos 11, foi a vez de Potzmann rematar ao lado.

Com os setores verde e brancos completamente partidos e sem ideias, a equipa sentiu-se sufucada pelo esquema de 3-4-3 aprensentado pelo LASK e só conseguiu sair o ataque e teve de esperar 15 minutos para chegar à baliza austríaca, contudo Luiz Phellype, de cabeça, não acertou no alvo.

Os austríacos muito atacaram desde o início do encontro. Mais oleado, o Linz, que várias vezes colocou três homens junto aos três centrais do Sporting, chegou ao golo, aos 16 minutos, por intermédio de Raguz, que, depois de uma perda de bola Mathieu para Goiginger, rematou cruzado e não deu qualquer hipótese a Renan Ribeiro.

O golo do Lask reavivou, certamente, alguns fantasmas nas cabeças dos jogadores do Sporting. Os assobios faziam-se ouvir e a vantagem mínima registada ao intervalo acabava por ser lisonjeira, até porque, aos 26 minutos, Goiginger por muito pouco não fez o 2-0.

Para o início do segundo tempo, Silas decidiu colocar em campo Luciano Vietto no lugar de Neto e tentou mexer um pouco mais com o jogo. Miguel Luís recuou na direita e Acuña na esquerda, e o Sporting passou a jogar em 4-3-3 -, mas, ainda assim, foi o LASK Linz que continuou a mandar no jogo e a aproveitar a passividade defensiva do Sporting.

Os austríacos fizeram questão de demonstrar que não vieram de férias a Lisboa e em pouco menos de 10 minutos dispuseram de três boas oportunidades. Trauner, aos 48 minutos, e Goiginger, aos 50 e 56, Ranftl, aos 54, mostraram que o LASK Linz não estava em Alvalade para defender esta margem mínima. E todos os cuidados eram poucos.

Wendel não estava nos seus melhores dias na noite de quinta-feira e a saída do médio brasiliro e para dar lugar ao ex-Belenenses Eduardo Teixeira trouxe outra dinâmica aos leões, que chegaram ao golo da igualdade, aos 58 minutos, por Luiz Phellype, de cabeça, na sequência de um pontapé de canto cobrado por Bruno Fernandes, no qual surgiu sem marcação.

Este golo serviu de tónico já que aos 60 minutos, de livre direto, Bruno Fernandes atirou para uma boa defesa do guarda-redes Alexander Schlager, e aos 63, descaído sobre o lado direito e à entrada da área, com um remate cruzado colocou fez o 2-1, e permitiu ao Sporting entrar no comando do jogo.

O LASK Linz fez de tudo para conseguir voltar a marcar e sair de Alvalade com pelo menos um ponto, mas tanto Klauss, aos 70 minutos, como Goiginger, aos 78, não conseguiram levar a melhor sobre o guarda-redes do Sporting.

Destaque ainda para o remate falhado por Luiz Phellype, aos 90+4, que na sequência de um contra-ataque, apareceu isolado na cara do guarda-redes Alexander Schlager, mas não fez melhor que rematar ao lado da baliza.

Com este resultado o Sporting ascende ao segundo lugar do grupo, com três pontos, os mesmos dos austríacos (beneficiando do confronto direto), e na liderança está o PSV, com seis, que hoje venceu o lanterna-vermelha Rosenborg (4-1), que ainda não somou qualquer ponto.

Momento do jogo: Dois golos e uma reviravolta em cinco minutos.

O Sporting tinha empatado há cinco minutos quando Bruno Fernandes, assistido por Luiz Phellype, se desmarcou pela direita para receber e, com toda a calma do mundo, completar a 'remontada' leonina.

Melhores:

Luiz Phellype: Esteve nas duas jogadas dos dois golos da sua equipa, ao marcar o primeiro na sequência de um pontapé de canto batido por Bruno Fernandes e assistir o seu capitão para o segundo da equipa da casa. Não fez um grande jogo, mas olhando para o jogo, até foi muito. Em cima do apito final teve nos pés a ocasião que podia ter sentenciado o jogo, mas permitiu o desvio de Schlager.

Bruno Fernandes: Depois de uma primeira parte apagada, muito a baixo do alto nível com que nos tem presenteado em jogos anteriores,  Bruno Fernandes apareceu quando a equipa precisava dele e, depois de assistir Luiz Phellype, carimbou a vitória leonina.

Thomas Goiginger: Foi um perigo constante para a baliza de Renan - à semelhança de Marko Raguz e Dominik Frieser. O avançado esteve em todo o lado, ao pressionar alto e quase sempre com sucesso, ganhando bolas atrás de bolas.

Friser: Muita destreza com a bola nos pés e bateu por diversas vezes os seus marcadores diretos. A sua velocidade foi um grande problema para a equipa de Silas.

Piores:

Mathieu: É seu o mau passe que está na origem do golo do LASK Linz. Foi muito mau ao longo dos 90 minutos. O central francês errou vários passes, como foi o caso no golo dos austríacos. A segunda parte trouxe um novo Mathieu e o central acabou o jogo como um dos melhores da equipa da casa.

Wendel: A fraca prestação na partida levou a que fosse substituído por Eduardo Teixeira logo no início do segundo tempo. Muito desconcentrado, foi sempre uma peça fora do contexto.

Reações:

Vietto: "O LASK Linz surpreendeu pela intensidade imposta"

Luiz Phellype: "Precisávamos muito de vencer este jogo"

Bruno Fernandes nega ter criticado os colegas: "Não disse que alguns não sentiam o Sporting"

Bruno Fernandes: "Não nos podemos esconder atrás dos adversários"

Treinador do LASK: "Somos uma pequena equipa austríaca e viemos a Lisboa encostar o Sporting às cordas"

Emanuel Ferro destaca resultado melhor que exibição: "É uma vitória do acreditar"

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.