Shakhtar Donetsk e Roma medem forças esta quarta-feira na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões. Na Ucrânia, em casa emprestada, a equipa orientada por Paulo Fonseca vai tentar aproveitar o fator casa para ganhar vantagem tentando não sofrer golos para facilitar a viagem até Roma na segunda-mão.
Depois do momento insólito em que surgiu mascarado de Zorro após garantir o apuramento do Shakhtar para os oitavos de final, existe a possibilidade de uma sequela por parte do treinador português. Joga-se, portanto, a primeira 'batalha' para saber se o herói mascarado regressa após mais um apuramento.
Na conferência de imprensa de antevisão do encontro, o antigo treinador de FC Porto e SC Braga foi questionado sobre a questão do fato de zorro, mas brincou com a situação e focou-se naquilo que espera da Roma para o embate da Liga dos Campeões. Uma coisa é certa, o fato ainda está disponível para ser utilizado.
"O fato de Zorro não é meu. Acho que quem o tem guardado é o clube. Nunca se sabe se vou voltar a vestir algo do género. É algo que não se planeia. O mais importante é o jogo que vai ser muito tático e intenso. Ambas as equipa vão tentar impor-se sem trair os próprios princípios de jogo. A Roma é uma grande equipa com grandes jogadores e um excelente treinador".
Máscaras à parte, o Shakhtar Donetsk não terá vida fácil perante a Roma. A equipa italiana chega à Ucrânia  depois de uma fase de grupos em que terminou no primeiro lugar do Grupo C da fase de grupos que lhe valeu estatuto de cabeça de série. No entanto, os últimos jogos na Serie A têm demonstrado alguma fragilidade por parte da equipa romana que tem apenas quatro triunfos nos últimos dez jogos.
Para contrariar os italianos, Paulo Fonseca pode contar com o ataque na máxima força. Os 'desequilibradores' de serviço estão disponíveis com o estilo brasileiro de Fred, Taison, Bernard e Marlos, embora este último já seja tecnicamente ucraniano, uma vez que concluiu o processo de naturalização. Em sentido inverso, será interessante ver como é que a formação do Shakhtar Donetsk vai reagir à falta de ritmo de jogo. O campeonato na Ucrânia esteve parado devido ao Inverno desde dezembro do ano passado e a bola só voltou a rolar competitivamente este fim de semana. O frio que se fez sentir na Ucrânia não aparentar ter 'arrefecido' o Shakhtar que goleou o Chornomorets por 5-0.
Quem pode fazer a diferença?
No caso do Shakhtar Donetsk o destaque claro vai para Marlos. O avançado tem sido a principal referência ofensiva da equipa orientada por Paulo Fonseca e tem estado de pé quente este ano. Para além do 'bis' que assinou na goleada frente ao Chornomorets, o brasileiro que se naturalizou ucraniano tem dois golos marcados na Liga dos Campeões que acabaram por ser decisivos no apuramento dentro de um grupo onde estava Manchester City, Nápoles e Feyonoord.
Do lado romano, o destaque vai para Cengiz Under. O avançado turco soma quatro golos nos últimos três jogos com a camisola da formação italiana encontrando-se no melhor momento de forma desde que assinou pela Roma. É certo que os quatro tentos são os quatro que marcou a temporada toda, mas o rendimento que têm demonstrado deve render-lhe um lugar no onze perante o Shakhtar.
Não há um grande historial de confrontos entre Shakhtar Donetsk e Roma no que toca a jogos europeus pelo que é preciso recuar até 2011 para encontrar um duelo entre ambas as equipas. Na altura, os ucranianos venceram de forma clara por 3-0.
O pontapé de saída do encontro está marcado para esta quarta-feira às 19h45 na Oblasny SportKomplex Metalist, casa emprestada, uma vez que o reduto do Shakhtar Donetsk foi danificado durante os conflitos entre russos e ucranianos na região da Crimeia. Em jogo está a primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.