Se há 25 anos o cinismo italiano acabou por dar a estocada final a Portugal com vista ao apuramento para o Mundial de 1994 - vitória por 1-0 - , no regresso a San Siro a equipa das quinas aplicou a mesma fórmula e deu-se bem. Trouxe de Milão a qualificação para a 'final four' da Liga das Nações.

O jogo

A primeira parte foi muito difícil para Portugal. Foi uma Itália esmagadora que não deixou a equipa portuguesa respirar nos primeiros 45 minutos. Com a pressão a começar na linha avançada , Portugal praticamente não conseguiu sair com bola controlada - no primeiro tempo - somando passes errados, e acumulando perdas de bola.

Com um forte jogo entrelinhas, a Itália começou por confundir a equipa de Fernando Santos que demorou a acertar o passo. Na pior fase de Portugal, valeu Rui Patrício, decisivo com duas intervenções de grande categoria depois de remates de Insigne - bomba do meio da rua - e de Immobile - que apareceu isolado frente ao guardião português. Com incapacidade para ligar o jogo desde trás, Portugal só conseguiu criar algum 'frisson', na primeira parte, através de iniciativas individuais: Cancelo e Bruma assumiram essas despesas. No final da primeira parte, registava-se uma posse de bola de 70-30 para os italianos. Portugal não tinha sequer um remate enquadrado, o que demonstra bem a incapacidade da equipa lusa.

No segundo tempo, a Itália fez-se ressentir do intenso ritmo que imprimiu durante os primeiros 45 minutos, o que permitiu a Portugal equilibrar o encontro em certos momentos, subindo as linhas. No entanto, os lusos não conseguiam ter bola. Só com a entrada de João Mário, é que Portugal conseguiu organizar-se a meio campo. O gelo que trouxe o médio acalmou Portugal, que começou a trocar a bola e a somar passes certos. Foi nesse período que a equipa das quinas construiu as duas melhores situações em todo o encontro. Primeiro num remate de João Mário por cima e num pontapé de William que colocou Donnarumma em sentido.

No últimos minutos, a equipa de Mancini ainda foi à procura de ser feliz, mas a gestão portuguesa acabou por mitigar eventuais sobressaltos e garantir o ponto que faltava para selar a qualificação para a 'final four'. Portugal correu assim para a história e somou o segundo empate em terras italianas.

Momento

Minuto 34: Immobile surge na cara de Patrício e o guardião português evita o pior. Poderia ter sido um duro golpe para Portugal sofreu golo tão próximo do intervalo

Melhores

Rui Patrício

O guardião português encheu a baliza e manteve-a inviolada num altura chave na partida - nos primeiros 45 minutos - em que Itália dominou o jogo a seu belo prazer e criou ocasiões flagrantes.

Bruma

Na primeira parte e quando o coletivo falhava, tentou algumas iniciativas individuais que colocaram em sentido os italianos.

João Mário

Entrou e revolucionou o jogo português. Deu segurança à zona intermédia que passou a ter bola e Portugal pôde finalmente circular e soltar-se.

Verratti, Jorginho e Insigne

Estes três foram um autêntico quebra cabeças para a equipa portuguesa, que demorou quase 70 minutos para se reencontrar e dividir o jogo no centro do terreno.

Reações

Roberto Mancini: "Fizemos um ótimo jogo"

Fernando Santos: "Esta equipa tem muito para crescer, mas vamos melhorar"

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.