Carlos Queiroz, atual técnico da seleção do Irão e ex-treinador de Portugal, não revela mágoa pelos atritos que viveu com Cristiano Ronaldo enquanto esteve à frente da "equipa das quinas" e revelou que a mudança do futebolista para Madrid foi combinada em sua casa.

"Sem dúvida [que voltaria a trabalhar com Cristiano Ronaldo]. Impondo, como sempre fiz, as minhas decisões e as minhas regras. Por isso é que a nossa relação foi sempre ótima, boa, amiga. (…) A decisão de abrir as portas do Manchester United para ele ir para o Real Madrid foi tomada em minha casa, no meio da minha família. Quando as dúvidas se levantavam, consegui juntar em minha casa o Alex Ferguson e o Cristiano. Com os três ali sentados foi decidido que o Cristiano ficaria mais um ano no Manchester e no ano a seguir iria para o Real Madrid" explicou, em entrevista ao “Maisfutebol e à TVI.

Numa entrevista alargada, o timoneiro de 61 anos defendeu ainda a importância de Cristiano Ronaldo no seio da seleção portuguesa e que a sua má prestação no Brasil não branqueia tudo o que tem feito, assegurando depois que Ronaldo "é um jogador que vive para o sucesso".

"Na Suécia também há esse grande debate relativamente a Ibrahimovic.... É normal que o jogador que veste o estatuto de melhor do mundo transporte para a seleção essa bandeira. E é bom que essa bandeira seja a porta que nos leve ao sucesso. Já tivemos momentos muito bons de Ronaldo em que as coisas correram sempre bem", acrescentou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.