Andrea Agnelli, presidente da Juventus e da Associação Europeia de Clubes (ECA), traçou esta sexta-feira um cenário dramático para o futebol, face à pandemia da COVID-19

"Nós, como dirigentes, somos responsáveis por garantir a sustentabilidade e bem-estar dos clubes que gerimos e que neste momento enfrentam uma ameaça real à sua existência. Como tudo está parado, não existem receitas para pagar aos nossos jogadores, funcionários e para fazer face a outros custos operacionais. Ninguém está imune e o tempo é essencial. Atender às nossas preocupações é o maior desafio que a nossa indústria já enfrentou", escreveu Agnelli numa carta dirigida aos clubes.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500. Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.