Benfica, Sporting, Sporting de Braga e Futebol Benfica lançaram esta segunda-feira na Cidade do Futebol, em Lisboa, a primeira edição da Taça da Liga, uma prova que consideram tornará o futebol feminino mais competitivo.

As primeiras quatro equipas no final da primeira volta do campeonato nacional apuraram-se para a Taça da Liga, que arrancará no domingo, com o dérbi entre Benfica e Sporting e o encontro que colocará frente a frente o ‘Fófó’ e as bracarenses.

Após uma primeira fase, em que jogam todos contra todos, em apenas uma volta, as duas primeiras classificadas vão disputar a final, agendada para 22 de março.

“A Taça da Liga vai nos proporcionar mais jogos e mais jogos competitivos. Além da Liga BPI [Campeonato Nacional], que tem 22 jornadas, esta prova vai nos trazer maior competitividade", afirmou a treinadora do Sporting, Susana Cova, defendendo ser ainda uma mais valia "para ganhar maior competitividade para as competições internacionais”.

A treinadora do ‘Fófó’, Madalena Gala, por sua vez, lembrou que a nova prova é "ótima para todas as equipas que estão na Taça da Liga" e representa "menos paragens" no calendário, além de acrescentar "mais ritmo competitivo”.

"Vai ser uma competição curta, mas com grandes jogos e espetaculares, e que se calhar vai trazer mais adeptos aos estádios", frisou Gala, enquanto Luís Andrade, responsável técnico do Benfica, mostrava-se igualmente agradado com a iniciativa da Federação Portuguesa de Futebol.

Andrade pensa que a competição pode fazer crescer ainda mais a equipa ‘encarnada’: “Estamos em quatro competições, mas ainda queremos mais. Se o futebol feminino é para crescer, ainda temos de ter mais. Queremos ser tão fortes como o futebol feminino espanhol e só assim, com mais competições, vamos evoluir".

Já Miguel Santos, treinador do Sporting de Braga, considera que a Taça da Liga "valoriza, acima de tudo, as jogadoras, o futebol feminino e vem dar um entusiasmo diferente e criar uma certa igualdade, em relação ao futebol masculino".

"As quatro equipas envolvidas partem em pé de igualdade e isso também torna esta competição mais espetacular. Futebol sem competição não cresce e a Taça da Liga vai ser uma competição muito competitiva e equilibrada até ao último minuto da final", anteviu Miguel Santos.

Na apresentação da primeira edição da Taça da Liga, na qual estiveram várias figuras públicas, entre as quais o ex-jogador de futebol de praia Madjer, a golfista Susana Ribeiro, o árbitro internacional Hugo Miguel, a ex-jogadora Carla Couto, entre outros, as quatro capitãs mostraram-se satisfeitas com a nova prova.

"É uma honra para o ‘Fófó’ estar presente nesta primeira edição da Taça da Liga. Somos um ‘outsider', mas vamos tentar fazer o nosso melhor para chegar ao segundo lugar ou quem sabe ao primeiro", admitiu Edite Fernandes, sublinhando, contudo, que a "Taça da Liga não é o objetivo principal" da sua equipa.

A ‘capitã’ do Braga, Vanessa Marques, considera que "não há nenhum favorito e que cada equipa vai querer dar o máximo para tentar alcançar o troféu."

Em sintonia, estão Ana Borges, capitã do Sporting, e Raquel Infante, ‘comandante' do Benfica, que enaltece a conceção de mais uma competição, lembrando, contudo, que "para os jogos serem disputados nos principais estádios, com capacidade para 65 mil pessoas, o futebol feminino ainda precisa de crescer”.

"Se estas são as quatro melhores equipas, é com elas que queremos jogar, sem menorizar as restantes. Se Portugal quer estar ao mais alto nível, já falando em termos de seleções, temos de ter bastante competição dentro do nosso país", acrescentou Ana Borges.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.