O avançado Gabriel Jesus fez hoje um golo e uma assistência na vitória do Brasil por 3-1 frente ao Peru, na final da Copa América de futebol, antes de ser expulso no jogo no Rio de Janeiro.

No Maracanã, o jogador do Manchester City foi o principal destaque, ficando ligado aos dois primeiros golos, ao assistir Everton aos 15 e anular o tento do empate, de penálti, de Guerrero aos 44, ao marcar quatro minutos depois o 2-1.

Foi depois expulso aos 70, por acumulação amarelos, e deixou a equipa ‘canarinha’ em dificuldades, ainda que uma grande penalidade de Richarlison, aos 90, tenha sentenciado o resultado no regresso ao Maracanã para os brasileiros.

Numa prova disputada ‘em casa’, o Brasil conquistou o nono título da Copa América, o primeiro desde 2007, e sucede ao Chile, que tinha triunfado em 2015 e 2016, enquanto o Peru falhou a conquista do terceiro cetro.

O ‘escrete’ ganhou sempre que o troféu foi disputado no Brasil, o que não acontecia há 30 anos, depois de 1919, 1922, 1949 e 1989, e aproximou-se no palmarés da Argentina, que tem 14 cetros, e do Uruguai, com 15.

No arranque, ambas as equipas alinharam com os mesmos ‘onzes’ das meias-finais, numa reedição de um jogo da fase de grupos, favorável à equipa de Tite por 5-0.

Depois de um bom trabalho de Gabriel Jesus no lado direito, o avançado do Manchester City cruzou para o lado contrário da área, onde apareceu Everton a abrir a contagem, aos 15.

Após o 1-0, Coutinho teve uma oportunidade de marcar, atirando para fora, e instalou-se uma toada equilibrada, na qual a circulação de bola da equipa de Tite anulava os intentos da formação orientada pelo argentino Gareca.

O empate aconteceu após um ataque peruano pela direita ter sido cortado pela mão de Thiago Silva, com o ‘veterano’ e capitão Guerrero a apontar o terceiro golo na prova, tantos quanto Everton, melhor marcador, e marcar o primeiro golo ao Brasil ao longo de toda a prova.

A igualdade não durou, com Jesus a aproveitar uma boa jogada de Arthur para finalizar à entrada da área, no terceiro minuto de descontos, e o regresso dos balneários, para a etapa complementar, trouxe uma postura de controlo da equipa da casa.

A expulsão do avançado aos 70, após um lance disputado no qual o chileno Roberto Tobar viu motivos para um segundo amarelo, trouxe novo fôlego ao Peru, que não conseguiu acertar com a baliza, mesmo tendo rendido os médios Yotún, Tapia e Carrillo por Gonzáles e os avançados Ruidíaz e Andy Polo.

Na resposta, Tite estreou na prova o defesa Éder Militão, que saiu do FC Porto para o Real Madrid neste defeso, e controlou o jogo, acabando por sentenciar a partida aos 90, graças a outro substituto, Richarlison, que converteu um penálti após falta sobre Everton.

O Brasil foi primeiro no grupo A e eliminou depois Paraguai e Argentina a caminho da final, enquanto o Peru avançou em terceiro da mesma ‘poule’ e afastou, depois, Uruguai e Chile.

A próxima edição da Copa América vai decorrer em 2020, na Colômbia e na Argentina, a primeira vez que a organização é partilhada desde 1983.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.