O selecionador cabo-verdiano de futebol, Rui Águas, disse hoje à agência noticiosa Inforpress que o avançado do Sporting Jovane Cabral “não apareceu e não deu nenhuma explicação” quanto à ausência do estágio da equipa.

Jovane tinha sido chamado para o jogo com o Lesoto, de apuramento para a Taça das Nações Africanas de 2019, mas não compareceu no Estádio do Jamor, onde se realizou o primeiro treino dos ‘tubarões azuis’.

A imprensa portuguesa avança a intenção do extremo do Sporting, que no sábado apontou o único golo da vitória dos ‘leões’ sobre o Feirense, em representar a seleção portuguesa, tendo para isso que dar conta da renúncia à seleção africana.

Entretanto, a Federação Cabo-verdiana de Futebol anunciou esta segunda-feira que a ausência de Jovane Cabral da concentração da seleção já está a ser analisada pelo departamento jurídico do organismo.

"Dos convocados a única ausência é de Jovane Cabral, jogador do Sporting. Internamente, a Federação Cabo-verdiana de Futebol já está a tratar do assunto, estando o mesmo no departamento jurídico", pode ler-se numa nota publicada no Facebook da Federação do país africano.

Jovane até já tinha sido chamado antes à seleção do país onde nasceu, sendo natural de Santa Catarina, atuando cinco minutos num particular com o Luxemburgo, em março de 2017, mas as regras da FIFA permitem a mudança de país se o jogador não tiver atuado numa partida oficial.

O selecionador sub-21 de Portugal, Rui Jorge, admitiu recentemente estar a observar o extremo dos ‘verdes e brancos’, que chegou em 2014 aos lisboetas para integrar a equipa de sub-17.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.