O presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Mário Semedo, pediu hoje “maior flexibilização” dos regulamentos da FIFA, para a protecção dos jogadores africanos, de modo a evitar a fuga para as selecções europeias.

O pedido foi feito hoje durante uma reunião, por videoconferência”, com o presidente da FIFA, Gianni Infantino, da CAF, Ahmad Ahmad, e os presidentes das federações de Angola, Guiné Equatorial, Moçambique e São Tomé e Príncipe, bem como alguns administrativos do organismo que rege o futebol internacional.

Mário Semedo denunciou, na ocasião, conforme adianta a página da FCF na Internet, o facto das selecções europeias “roubarem” muitos dos talentos formados nos países de origem, derivado da forte influência dos agentes dos jogadores.

Por isso, solicitou igualmente uma intervenção do CAF para defender as federações filiadas, nos casos de jogadores que só pelo facto de jogarem uns minutos ou um jogo ficarem definitivamente vinculados, quando deviam dar-lhes a possibilidade de, mediante determinados critérios, jogarem por um outro país, da qual possuem nacionalidade.

Por outro lado, o presidente federativo defendeu a necessidade da FIFA criar projectos específicos para apoiar clubes, como objectivo de criarem condições para a sua auto-sustentabilidade.

Durante esta reunião, que teve a duração de duas horas, o presidente da FIFA, apresentou um conjunto de informações sobre a situação da covid-19 no contexto do futebol e se inteirou situação nas respectivas federações no contexto actual.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.