O treinador Flávio Monteiro abandonou o comando técnico do Barreirense, apontando que foi “perseguido” pela arbitragem durante o tempo que comandou a equipa da ilha do Maio.

Em declarações à Inforpress, o treinador foi mais longe ao considerar que os árbitros têm tornado o campeonato do Maio no mais “sujo” e “corrupto” do país.

“O campeonato do Maio é o mais sujo do país pelos muitos árbitros corruptos que estão a estragar o futebol maiense”, apontou.

Acrescentou que durante os jogos notava que faziam de tudo para a sua equipa não ganhar e que normalmente era expulso “por nada”, em quase todas as partidas.

No entanto Flávio Monteiro esclareceu que sempre teve uma “boa relação” com a direcção e que deixou o Barreirense a praticar o melhor futebol da ilha.

“Infelizmente na ilha do Maio a melhor equipa não ganha porque, além da corrupção dos árbitros, não se respeita quem trabalha bem e com honestidade”, notou Flávio Monteiro.

Por isso, apelou à Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) a “meter a mão” no campeonato do Maio, porque, caso contrário, conforme defendeu, o futebol nesta ilha vai ficar estagnado.

Numa recente entrevista à Inforpress, o presidente do Conselho de Arbitragem da Associação Regional de Futebol do Maio, Luís Fernandes, repudiou as afirmações do treinador da equipa do Barreirense, considerando-as “muito graves”.

Na altura exigiu que o Conselho de Disciplina tome medidas que estas acusações merecem, uma vez que colocam em causa todo o trabalho que os árbitros vêm fazendo ao longo dos anos.

Flávio Monteiro comandou o Sporting na última temporada em Santiago, depois de treinar a formação de São Filipe, na segunda divisão.

Antes foi treinador adjunto de Lito Aguiar no Sporting onde foi campeão de Cabo Verde.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.