Bérgamo é hoje uma das 'capitais' e um epicentro do novo coravírus na Europa.

No dia 19 de fevereiro, dois dias antes de ser confirmado o primeiro caso de covid-19 em Itália, jogava-se o Atalanta - Valência em San Siro, em Milaõ. (Casa do Inter e do AC Milan).

O jogo da Liga dos Campeões levou a que houvesse romaria à 'cidade-estado' da Lombardia. O resultou ditou um 4-1 para o emblema de Bérgamo e um sorriso rasgado para os habitantes daquela cidade italiana.

Terá sido esse jogo a origem da epidemia naquela cidade? Alejandro 'Papu' Gómez, capitão da Atalanta, acredita que sim.

"Acho que o que se passa hoje em Bérgamo pode ter acontecido porque temos um dos melhores hospitais da Lombardia e muita gente vem para ser atendida, mas também por causa do jogo que fizemos com o Valência. Temos 120 mil habitantes e nesse dia 45 mil deslocaram-se a San Siro. Foi um jogo histórico para a Atalanta, uma loucura. A minha mulher demorou três horas a chegar a Milão quando normalmente em 40 minutos está lá", disse o argentino em declarações ao desportivo 'Olé'.

O jogador deixou ainda críticas pelo facto da segunda mão do encontro, que se realizou no dia 10 de março, não ter sido adiada.

"Fazer esses jogos foi uma péssima ideia. Nessa altura ainda não havia muitos casos, ninguém conseguia perceber da gravidade e não se percebeu a dimensão que podia tomar. Na segunda mão já estava instalado o caos em Itália, mas Espanha ainda estava no início. Fomos a Valência e não havia controlos. Estavam todos relaxados. Agora é o segundo país da Europa com mais contágios".

Em quarentena desde esse jogo, Papu Gómez conta como têm sido vividos os dias naquela cidade italiana.

"De manhã levanto-me, tomo um mate com a minha mulher enquanto vemos as notícias. Nos dias que estão mais agradáveis saímos para o terraço, fazemos coisas em casa. No outro dia fiz jardinagem. Estou a fazer coisas que jamais fiz na vida, aproveito agora que tenho tempo. À tarde treino."

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.