Parece um título confuso mas não é menos difícil de entender que a 'guerra' entre o Clube de Futebol Os Belenenses e a Belenenses SAD.

Na tarde deste sábado, o diferendo entre clube e SAD conheceu um novo capítulo, numa altura em que ia acontecer algo surreal: o Belenenses ia defrontar o Belenenses nos sub-16, jogo do Campeonato Distrital da Associação de Futebol de Lisboa.

Tal como prometera o Clube de Futebol Os Belenenses em comunicado, a sua equipa Escola de Futebol Belém Estádio do Restelo não ia comparecer ao jogo, por entender que do outro lado está um emblema usurpador. A SAD foi impedida por um Tribunal de Lisboa de utilizar so símbolos e o nome Belenenses, algo que tem vindo a não acatar. O clube não se forma e tomou a medida mais drástica: não compareceu para defrontar a equipa de sub-15 da SAD.

No Campo das Salésias, que devia ser palco do encontro, compareceram os sub-16 da SAD do Belenenses assim como a equipa de arbitragem. Quando lá chegaram, o portão estava fechado.

"Na porta encontrava-se, apenas, um vice-presidente do clube, qual porteiro. Estamos a falar de jovens de 15 anos que ficaram impedidos de fazer aquilo que mais gostam, que é jogar futebol", escreveu o diretor-geral da SAD, José Luís, em comunicado enviado às redações.

No mesmo comunicado, o dirigente da SAD acusa Patrick Morais de Carvalho, líder do clube, por toda esta confusão.

"Quem é o responsável? Um homem que fala bem mas só para alguns e que pensa poder fazer e dizer tudo. Em 30 anos de futebol, desde as escolas aos seniores, nunca vi ou vivi situação semelhante. [...] "É um dirigente amador, o Presidente do CF Os Belenenses, que tem as suas modalidades entregues a empresas ou secções autónomas. E nunca vai passar de amador. Não tem capacidade intelectual, destreza ou conhecimento para chegar a dirigente profissional. [...] Foi com senhores como este que a história Mundial viveu os seus mais negros períodos", atirou.

O clube alega que a quebra do protocolo impede a SAD de ter equipas de formação, mas esta ideia é refutada por José Luís.

"O senhor deve desconhecer que a equipa que legalmente atua na primeira Liga é obrigada a ter futebol de formação para poder competir em provas europeias", lembrou.

Na sexta-feira, Rui Pedro Soares, presidente da Belenenses SAD, tinha acusado Patrick Morais de Carvalho, presidente do Clube de Futebol Os Belenenses de incitamento ao ódio e à violência.

"Vamos fazer participação contra o presidente do clube. Pela primeira vez na história do futebol de formação - e estamos a falar de miúdos - há um presidente a incitar ao ódio. A responsabilidade do que acontecer será do Dr. Patrick Morais de Carvalho. Patrick Morais de Carvalho é contra o futebol moderno, é pelo futebol do ódio, da violência. Esse tempo já acabou há muito. É um líder que joga para ser campeão amador. Em 2018...", comentou, em declarações reproduzidas pelo jornal ABola.

Na base da decisão do clube está uma ordem do Tribunal que proíbe a SAD de utilizar o nome e qualquer símbolo do Belenenses. Apesar da decisão, a SAD tem vindo a utilizar o nome Belenenses, algo que viola o que foi determinado pelo Tribunal. A Liga, a FPF e o Governo estão a par da decisão mas, até agora, não tomaram qualquer decisão.

"Existe uma sentença do tribunal que é violada de 15 em 15 dias no Estádio Nacional. É sinal de que o governo está a compactuar com uma ilegalidade. Por isso, não vamos ceder o campo das Salésias", disse Patrick Morais de Carvalho ao jornal OJogo.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.